Arquivo | março, 2007

Strudel orgânico

25 mar

strudel

An apple a day keeps the doctor away. (ditado popular americano)

A maçã é uma fruta extremamente apreciada em casa, seja crua, em suco, compotas, geléias, bolos, tortas, enfim, e minha mãe resolveu testar esta receita com maçãs Gala orgânicas vindas de Santa Catarina. Os louros são dela, só tirei a foto e ajudei a degustar, ô tarefa difícil!!!!

Aprovadíssima e aplaudida de pé! A receita foi tirada de uma revista italiana antiga, mas que estava quietinha só esperando para ser utilizada – La Cucina Italiana, Dicembre 1998.

Dá para fazer 2 strudels de tamanho médio a pequeno. O primeiro foi feito ontem e o segundo saiu do forno hoje à tarde, mas acho que não chegará até o almoço de amanhã… Bom quentinho, com sorvete, com café, com chá, com chantilly, frio, de todo o jeito!

Strudel de Maçã

Massa:

150 g de farinha de trigo

50 g de manteiga amolecida

1 ovo

½ copo de água (mais ou menos)

sal

Misturar os ingredientes e amassar bem.  Faça uma bola, deixe repousar por meia hora em um local quente (pode ser perto do fogão aceso ou numa tigela de louça em cima de uma panela quente).  Divida em duas partes.  Pode ser guardada no freezer nesta etapa e retirada só para abrir e assar.

Recheio: 2 ou 3 maçãs sem casca e em fatias, suco de duas laranjas, suco de 1 limão, canela, açúcar (+ou – 2 colheres de sopa), uva passa branca sem caroço. Misture tudo e deixe repousar uns minutos. Escorra em uma peneira e acrescente farinha de rosca para absorver a umidade (umas 2 colheres de sopa).

Montagem do strudel: abra a massa em cima de um pano enfarinhado deixando a mesma bem fina.

Antes de colocar o recheio distribua pequenos pedaços de manteiga sobre a massa. Na hora de enrolar faça no sentido do comprimento e dobre as pontas antes de começar, assim fica como um envelope fechado e a massa não vaza.

Leve ao forno médio até ficar dourado.

Casa nova

24 mar

 sweet home

Como eu já havia comentado em alguns replies de comentários, estamos nos mudando. Casa nova, cidade nova, vida nova, tudo novo e o novo sempre dá um frio na barriga, muitas vezes as pessoas tendem a repelir o novo, pois é desconhecido e o desconhecido assusta, nos tira da nossa zona de conforto.

Por mais frio na barriga que esteja sentindo, acreditem eu estou sentindo…, esta mudança foi planejada durante muito tempo, muitas noites pensando, conversando e ponderando, enfim aconteceu, ou melhor, está acontecendo…e tenho certeza de que será muito bom!

Sou do tipo que ao sentir o cheiro de mudança no ar já está de malas prontas, já morei em tantas casas que nem me lembro mais (ups, parece a música do Renato Russo)… e sempre foi bom, conheci pessoas e lugares diferentes e interessantes, vale sempre a pena!

Casa é onde nos sentimos bem e estamos em paz.  

Menos posts até que tudo esteja arrumado!

Beijos saudosos!

Imagem: art.com

Kafta feita em casa

21 mar

kafta

Meus queridos, entre caixas, embalagens e muita bagunça consegui parar um pouco para dar um alô e postar uma receita que eu adoro e aprendi há um tempo… a Kafta, que segundo quem me apresentou é um prato turco, mas isso vamos deixar a Lídia esclarecer!

O cafta é um prato bem versátil e pode ser feito de várias maneiras. Assado no forno, na churrasqueira ou em uma frigideira. Originalmente, era feito com carne de carneiro. Mas, aqui no Brasil, ele é feito com carne de boi na maioria das vezes.

Um dos ingredientes fundamentais é a pimenta síria, que proporciona um perfume e sabor delicioso a esse prato. Ela é composta por pimenta-do-reino, pimenta-da-jamaica, canela, cravo e noz-moscada. (Fonte Cyber Cook)

Pois é, fiz um estágio uma época em NY, fiquei uns 40 dias na casa de uma família turca dona da empresa onde estava estagiando e aprendi muita coisa legal e boa sobre a cultura turca.  Eles adoram comer bem e sabem cozinhar divinamente, pratos balanceados com bastante carne, saladas, legumes e uns temperos que fiquei apaixonada!

Uma das coisas que mais gostei foi o Kafta, prato de carne moída temperada com condimentos e feita no grill, preparada no caso pelo homem da casa, a salada era tarefa da mãe, mas ele é que temperava e dava o ponto na carne.  Gente, que delícia, lógico que aprendi a fazer e não é que na primeira vez que fiz lá ele elogiou tanto meu tempero que a esposa ficou com ciúmes pois ele não a deixava preparar!!!! Fazer o que???

Muito bem, faço assim: 500 g de patinho moído, 1 cebola média bem picadinha, sal, pimenta síria, salsinha picada e Dill picado.  Mistura-se muito bem (se quiser misturar tudo no processador com o picador de metal também funciona) e faz-se umas “cobrinhas” meio gordinhas tipo salsichão.  Coloco em uma forma ou tupperware com um pouco de farinha de trigo para não grudar no fundo e levo ao congelador – quando quero congelar.  Eu sempre faço uma quantidade maior pois já fica tudo pronto no freezer para aquela vontade súbita de comer Kafta e aí é só tirar e colocar no forno.  É, eu faço no forno pois não tenho grill ou churrasqueira ou broiler, e acho que fica muito bom, é só colocar em forma untada e levar ao forno médio até dourar a carne.

Gente, com uma saladona verde, pão e molho de iogurte (iogurte natural, sal, um dentinho de alho espremido e azeite) fica uma refeição maravilhosa!

A foto não ficou muito boa, mas foi na correria entre uma caixa e outra, sorry!

Inventando moda

19 mar

sanduba

– Salve!
– Como é que vai?
– Amigo, há quanto tempo!
– Um ano ou mais…
– Posso sentar um pouco?
– Faça o favor
– A vida é um dilema
– Nem sempre vale a pena…
– Pô…
– O que é que há?
– Rosa acabou comigo
– Meu Deus, por quê?
– Nem Deus sabe o motivo
– Deus é bom
– Mas não foi bom pra mim
– Todo amor um dia chega ao fim
– Triste
– É sempre assim
– Eu desejava um trago
– Garçom, mais dois
– Não sei quando eu lhe pago
– Se vê depois
– Estou desempregado
– Você está mais velho
– É
– Vida ruim
– Você está bem disposto
– Também sofri
– Mas não se vê no rosto
– Pode ser…
– Você foi mais feliz
– Dei mais sorte com a Beatriz
– Pois é
– Vivo bem
– Pra frente é que se anda
– Você se lembra dela?
– Não
– Lhe apresentei
– Minha memória é fogo!
– E o larjan?
– Defendo algum no jogo
– E amanhã?
– Que bom se eu morresse!
– Prá quê, rapaz?
– Talvez Rosa sofresse
– Vá atrás!
– Na morte a gente esquece
– Mas no amor agente fica em paz
– Adeus
– Toma mais um
– Já amolei bastante
– De jeito algum!
– Muito obrigado, amigo
– Não tem de quê
– Por você ter me ouvido
– Amigo é prá essas coisas
– Tá…
– Tome um cabral
– Sua amizade basta
– Pode faltar
O apreço não tem preço, eu vivo ao Deus dará
(Silvio Silva Júnior/Aldir Blanc)

Este final de semana foi bem agitado, churrasco ontem e hoje, regado a amigos novos, velhos, diferentes, mas bons amigos.  Estou meio triste pois vamos nos mudar de estado e a convivência com os amigos daqui será mais difícil, de outro lado estou animada com as coisas novas que vão acontecer, novas portas se abrindo e horizontes verdes a despontar.  Mas os amigos serão sempre amigos, nossos queridos amigos, obrigada pelo carinho!

Bom, depois de tanta agitação não  estava com pique para ir para cozinha fazer um jantar e resolvi inventar uma moda com um pedaço de alcatra que tinha na geladeira (ups!, veio de um churrasco…).  Cortei em bifes e fritei numa caçarola de ferro estalando de quente, só usei sal para temperar depois de um lado estar bem douradinho, e depois mais um pouquito no outro lado.  Reservei, fritei umas rodelas de cebola e montei um sanduíche que ficou assim: pão francês (era o que tinha em casa), azeite de oliva, rúcula, gorgonzola desmanchado no azeite (mais ou menos 1 colher de sopa de queijo e uma de azeite para dois sanduíches) por cima da verdura, bife, tomate e a cebola.  Não quis colocar maionese pois achei que “brigaria” com o gorgonzola… meu marido não resistiu e misturou, mas depois se arrependeu…

Batatas chips para acompanhar e um suco delícia, ficou fácil, rápido e gostoso.  Não é uma iguaria mas vou dormir feliz!E viva os amigos!

Chocólatra assumida

16 mar

chocolate pregnant 

          clothes shrink 

Gente, não posso fugir à responsabilidade, sou Chocólatra assumidíssima e ponto.  Essas figuras tentam disfarçar e explicar o porquê do consumo de um modo engraçado….

Nada de devorar loucamente uma caixa inteira de bombons, um prato de brigadeiro ou uma barra de chocolate, mas tenho que comer o dito cujo todos os dias, um pedacinho que seja… meu vício é você….o que fazer????

Já melhorei na avidez do consumo da iguaria, antes de engravidar era uma loucura, eu chegava a ficar super mal-humorada se não tinha chocolate para comer, e não pode ser qualquer um, tenho marcas e sabores favoritos… frescura?

Há um tempo meu pai me mandou um recorte da Folha de São Paulo, seção Equilíbrio de 30/11/2006,  sobre uma pesquisa de uma universidade americana que diz que o consumo diário de um pouco de chocolate reduz quase à metade o risco de ataque cardíaco.  Fala sério, agora mesmo que não paro….faz até bem à saúde!!! rsrsrs!!!

Mas tem que ser o chocolate amargo, que é rico em Flavonóides, que diminui a pressão arterial e tem outros efeitos benéficos para a saúde, fora a sensação de calma e tranquilidade após algumas bocadinhas…

Disseram que o chocolate tem efeito semelhante ao da aspirina na prevenção da formação de coágulos no sangue, o que pode ser fatal se os mesmos bloquearem uma veia, levando até ao ataque cardíaco. 

Só que o chocolate a ser consumido diariamente em doses pequenas (já é alguma coisa, não colegas????) deve ser o que contém pouco açúcar e gordura e que a pessoa deve fazer a dieta associada a exercícios físicos e outras práticas saudáveis.

ADORI!!!! Estou mais feliz!

figuras: art.com

Tudo isso por uma Pizza????

15 mar

pizza mil dólares   pizza mil dólares   pizza mil dólares 

Amigos e amigas de blogosfera, será que as pessoas estão perdendo a noção ou eu é que não sei apreciar uma iguaria? Estava lendo o Globo e de repente me deparo com uma notícia que me deixou de cabelos em pé: uma pizzaria da Big Apple está fazendo uma pizza que custa nada mais nada menos do que meros US$1.000,00 (mil dólares), uma pechincha!!!

Gente, fala sério, acho até uma falta de respeito, tudo isso por uma pizza? E os ingredientes não me agradaram, quatro tipos de caviar com lagosta e ovas de salmão…em pizza? Acho que sou muito clássica, gosto mais da pizza mais normalzinha, no máximo uma pizza de banana com canela, mas essa mistureba por tudo isso, ja mai de la vie!

Quem quiser ler a matéria dê um pulo aqui.

A pizza da minha mãe dá de mil a zero e os recheios são normais e deliciosos, acho que estamos perdendo dinheiro… quem sabe devessemos ir para NY e abrir uma pizzaria por lá? Será?

Guirlandas

15 mar

                     wreaths     

Sempre fico admirando as guirlandas quando é tempo de Natal, acho um enfeite singelo e muito bonito.  Infelizmente aqui no Brasil é no Natal que elas aparecem e logo vão embora com a chegada do Dia de Reis quando se desmonta a árvore de Natal e tiram-se os enfeites de casa. 

Quando moramos na Alemanha me impressionava a quantidade e variedade dos enfeites que são colocados nas casas a cada mudança de estação, e as guirlandas sempre me chamaram muita atenção.  Nos Estados Unidos também, a diversidade e criatividade no fazer estes adornos me deixam com vontade de ter mil portas em casa para pendurá-los. 

Fico pensando como será o jeito de cada pessoa que mora naquela casa para usar uma guirlanda de um jeito ou de outro, seus gostos, seus credos…. que viagem!!??!!!

Gosto mais do estilo simples, mais campestre, mas as douradas, prateadas e cheias de laçarotes também têm seu glamour.  Fica a gosto de cada um. 

As guirlandas existem desde o tempo da antiga Roma, na Grécia antiga uma guirlanda de coral era dada ao vencedor de eventos esportivos.  Como se fora nossas medalhas atuais, significava vitória.  A religião também possui a guirlanda do Advento na tradição católica, com a adição de quatro velas de cores diferentes, cada uma é acesa num domingo antes do Natal (quatro domingos).  A guirlanda neste caso significa a celebração do Natal.  A tradição das guirlandas é mais antiga ainda do que o Cristianismo.  Rituais pagãos utilizavam uma guirlanda com quatro velas que representavam os elementos Terra, Vento, Água e Fogo.  Os rituais tinham como objetivo assegurar a continuação do ciclo da vida.  (Fonte Wreaths-Eternity´s Decoration)

Há também uma lenda de que as guirlandas eram usadas para identificar as casas e famílias. (Fonte Franklin County Horticulture) 

Outros dizem que sua origem vem da Alemanha Oriental  e da Igreja Luterana. Havia um antigo costume alemão de decorar as casas com galhos verdes e velas durante o inverno para dar esperança de que os meses de inverno logo passariam.  (Fonte Tinker Take Off)

Com todo o simbolismo que envolve a guirlanda seu perfume e beleza por si só já justificam o enfeite.  Que vontade de pendurar uma guirlanda destas na minha porta!!!!   

Fotos: Wikipedia , Williams-Sonoma

O Rei da Quinzena – Cardamomo

13 mar

Bolo pera e cardamomo

Eu estava com muita vontade de participar do Rei da Quinzena do Colher de Tacho e quando vi que era com Cardamomo me deu mais vontade ainda, então fui comprar o dito cujo, que por aqui é meio carinho…mas como se usa pouco então rende bem.  Ingrediente master comprado era só escolher uma receita para testar… era só nada, eu nunca fiz nada com cardamomo até experimentar esta receita e não tinha noção de onde começar… 

Fiquei buscando vários sites que considero interessantes e apesar de muitas receitas legais quando me deparei com esta que aqui posto caí de amores e decidi que seria ela.  Pelo que fala no site é uma receita que saiu no Los Angeles Times e a pessoa testou e aprovou.  A especiaria é muito usada na culinária indiana, daí muitos pratos serem salgados e não era bem o que queria…mas como boa CCR (colecionadora compulsiva de receitas) fiz um compilado de receitinhas para experimentar… 

Achei a receita bem fácil de fazer, só que no meio do caminho houve um pequeno acidente doméstico, queimei o dedão da mão esquerda caramelando a forma, e sou canhota, aí já viu… tive que apelar para o marido que me ajudou muito, então ele também leva os créditos!  Esta é sem dúvida uma das melhores massas que já fiz para bolos deste tipo, e vou testar a receita com outras frutas que acho devem ficar igualmente saborosas: banana, abacaxi e não sei porque me deu na telha que tenho que experimentar com tangerina…depois eu conto! Vale muito a pena fazer este prato, eu não agüentei e provei logo que saiu do forno, ainda morno fica deliciosa! Como sobremesa, com sorvete, com café e até com uma colherada de chantilly em cima! Hummmm!  O perfume do cardamomo enquanto assava deixou a casa suavemente perfumada! 

A receita é esta – minhas observações em itálico.

Bolo Invertido de Peras e Cardamomo  (Fonte Receitas e Delícias) 

Caramelize ¾ de xícara de açúcar e junte ¼ de xícara de manteiga. Espalhe no fundo e nas laterais de uma forma redonda. Eu usei de 25cm de diâmetro, mas pode ser um pouco menor. Descasque e fatie 2 pêras sem o caroço (usei 3 acho que podem ser até 4 para ficar bastante fruta sobre o bolo). Respingue com suco de limão e espalhe as fatias de pêra no fundo e nas laterais da forma, sobre o caramelo (não borrifei o limão, esqueci mesmo).

Massa:
¾ xícara de açúcar
½ xícara de manteiga
2 ovos
½ xícara de leite
1 ½ xícara de farinha de trigo
½ colher de chá de cardamomo em pó (moí no moedor de pimenta, mais ou menos o conteúdo de 3 bagas)
2 colheres de chá de fermento em pó (achei que era muito, usei 1 ½ colheres de chá)

Bata a manteiga, o açúcar e os ovos até ficar bem cremoso. Junte o leite, a farinha, o fermento e o cardamomo e misture bem. Despeje na forma preparada, sobre as pêras fatiadas. Leve ao forno pré-aquecido em 180 graus até dourar. Desenforme antes de esfriar e sirva morno ou em temperatura ambiente. 

bolo pera e cardamomo fatia

Ribs on the Barbie

11 mar

ribs prato

Mês passado foi meu aniversário e fomos jantar num restaurante de uma cadeia americana que serve comida australiana, que por sinal eu adoro!!!!  Infelizmente a comida é cara e um pouco gordurosa demais, e nos atuais tempos estes excessos não estão permitidos! A comida é apimentada e muito saborosa, há controvérsias, eu sei, tipo ame ou nunca vá!  Eu gosto muitcho! 

Tudo bem, sempre procuro fazer pratos mais saudáveis e menos calóricos, ainda mais com as tais trans nos assombrando… mas para ir lá eu nem penso duas vezes, gosto e pronto!  E a cebola empanada como uma flor? Ô Jisuis!!!!Fato é que me deparei no supermercado com uma peça de costela suína congelada que dava para fazer o prato que sempre pedimos quando vamos jantar no tal restaurante canguru: Ribs on the Barbie (Costeleta com Barbecue).  Gente, melhor ainda foi o preço, muito bom mesmo, mostrei para o marido que sem pestanejar falou para levar! 

Não fiz como está no pacote, isto é, a orientação era deixar marinando 24 horas antes de assar.  Não fiz assim pois decidi usar a carne poucas horas antes do almoço, simplesmente temperei com alho e sal, deixei curtir umas 3 horas.  Untei uma forma com bastante azeite e levei ao forno médio para alto (pré-aquecido) por mais ou menos 1 hora e 20 minutos, depende do forno e do ponto que cada um gosta.  Tenho certeza de que se tivesse churrasqueira ou charbroiler em casa ficaria muito melhor…. quem tiver sugiro experimentar. 

ribs cru 

Antes de levar a assar pincelei a carne com este molho: 5 colheres de sopa de açúcar mascavo, 2 ½  colheres de sopa de catchup e 1 colher de sobremesa de molho inglês.  Eu tinha o molho barbecue industrializado em casa, mas quis tentar essa mistura e não me arrependi.  Ficou bem gostoso e mais leve.  O original ainda vai pimenta, mas não quis usar.

Aos 45 minutos virei a carne de lado e pincelei o resto do molho para dourar a parte que estava em baixo na assadeira.  

Enquanto a carne assava fiz um purê de batata com alho, que é como pode ser servido o prato no restaurante. Cozinhei 5 batatas médias com 5 dentes de alho e sal.  Uso batedeira para fazer o purê, truque que aprendi com minha sogra, tanto que nem tenho espremedor em casa, e misturei 1 colher de manteiga e um pouco de leite.  Voltei ao fogo para dar uma esquentadinha e apurar o sabor, corrigi o sal.  

E para finalizar fiz um molho de maçã que casa maravilhosamente bem com carne de porco: 3 maçãs Fuji picadinhas sem casca, 2 colheres de sobremesa de açúcar e canela em pó.  Acrescentei 1 colher de sopa de amido de milho dissolvido em 3 colheres de água e levei ao microondas por 2-3 minutos para cozinhar a maçã e apurar a calda.  Ficou uma dilícia! Pronto, para quem não estava esperando um almoço melhorzinho saiu um banquete!!! E feito em casa, melhor ainda!

ribs travessa 

Diferente e muito bom!

10 mar

pasta com ricota, ervas e limão

Tinha lido a receita desta Pasta no Chucrute e marquei a mesma para testá-la tão logo tivesse chance.  Não passou de ontem, ainda bem, pena que demorei muito, que delícia de prato, ficou leve, suave e perfeito para uma noite quente! Fer, adori!!!!  Vou fazer várias outras vezes, até o filhote gostou! Mon petit gourmet!

Eu adoro macarrão, não dava para ser diferente com minha árvore genealógica e o marido não fica atrás, apesar de ser italiano só por afinidade, ele é apaixonado por pasta.  

Devo confessar que fiquei meio ansiosa dos comentários sobre o molho diferente, ainda mais porque leva limão ralado, mas ele me surpreendeu novamente, mais um ponto para ele, e elogiou tudo dizendo que o limão deu um toque muito bom! Pois é, sem preconceito a gente leva a vida mais leve, não? Fiz algumas adições e outras modificações mas isso vou anotar em itálico ao lado da receita original, ok?

pasta with ricotta, herbs, and lemon

Rende 4 porções

450 gr de macarrão penne (usei spaguetti pois era o que tinha em casa)
2 colheres de sopa da manteiga sem sal em cubinhos
1 xícara de ricota fresca
1/2 xícara de ervas frescas – eu usei salsinha, cebolinha francesa, manjericão e tomilho (usei manjericão, folhas de alho porró e tomilho seco)
Raspas da casca de um limão
Sal kosher (sal normal)
Pimenta do reino moída na hora (não usei)

Cozinhe o macarrão na água e sal. Escorra. Reserve 1/3 xícara da água do cozimento. Numa panela misture a água, a ricota e a manteiga e mexa bem com um batedor de arame, em fogo baixo, até formar um creme (acho que a ricota aqui é diferente ou eu não soube fazer o creme, não emulsionou de jeito algum, mas ficou muito bom assim mesmo).

Salgue a gosto, acrescente as ervas picadinhas e as raspas do limão, misture o macarrão cozido, tempere com a pimenta fresca e sirva. 

Para variar eu dei uma mudadinha por conta do que tinha em casa, como usei folha de alho-porró (só uma), dei uma leve esquentada na mesma com as outras ervas e um pouquinho de azeite antes de misturar ao macarrão, só para tirar o gosto mais forte.  Usei limão Tahiti mas acho que talvez o siciliano dê um sabor mais acentuado.  E na hora de servir salpiquei com pistache torrado e salgado em pedacinhos, achei que combinou bem! Hummmm!