Arquivo | maio, 2007

Risoto de Berinjela (Risoto Melanzane)

18 maio

Risoto de Melanzane

Nossa, há séculos que não consigo um tempo para postar uma receitinha por aqui…que saudades!!!
Também estava sem a máquina para registrar as invencionices na cozinha e acho que receita sem foto não dá muita vontade de fazer, então resolvi esperar para postar agora que a máquina voltou para casa.
Essa receita é bem simples, minha mãe e minha irmã já haviam feito este risoto antes, não sei se a receita é igualzinha, mas me inspirei na maneira básica de fazê-lo e nesta receita aqui.                                                                                                                                              Ficou suave, saboroso e a textura da berinjela dá um toque diferente e gostoso.  Fiz hoje no jantar e foi sucesso total, marido e filhote aprovaram (este último já tinha jantado mas não resiste a um arroz…ainda mais este com um tempero especial!).                                                                                                                                                                                              Muito simples a receita:  deixe uma berinjela média (cortada em 4 pedaços longitudinalmente) sorando após passar sal. Aproximadamente 1 hora é suficiente.  Tire a casca e corte em quadradinhos.  Refogue na manteiga (usei Ghee) ou azeite 2 dentes de alho e meia cebola com a berinjela em quadradinhos até que esta fique quase transparente.  Reserve.  Em outra panela, eu usei de pedra, refogue 3 dentes de alho e uma cebola média.  Quando estiver quase dourado o refogado junte uma xícara de arroz arbório (sem lavar) e deixe fritar um pouco.  Coloque um dedo de vinho branco ou conhaque e deixe evaporar.  Aos poucos vá juntando caldo de legumes às conchas, mexendo bem em fogo médio.  Quando o caldo começar a secar junte mais uma concha até que esteja quase cozido o arroz, nessa hora acrescente a berinjela refogada e misture até que o arroz esteja al dente.  Verifique o sal, desligue o fogo e acrescente 2  ou 3 colheres de sopa de queijo ralado (usei grana padano) e 1 colher de manteiga para dar brilho e sabor.  Tampe e aguarde uns 3 minutos para servir.  Salpique salsa picada e lascas de queijo e leve à mesa.  Deve ser servido bem quente.  Buon apetito!

Anúncios

Aeromousse de Chocolate

10 maio

Mousse de Chocolate

Sei que estou sumida, mas estou numa correria danada, sem máquina fotográfica pois o maridão viajou e levou junto e sem o maridão para ajudar com o filhote, enfim…  Meio difícil de fazer alguma coisa diferente na cozinha e mais difícil ainda de tirar fotos para mostrar…até que fiz ontem um bolo de limão maravilhoso, receita nova e aprovadíssima, mas não tenho como tirar a foto, então fica para outra vez quando repetir a receita. 

Esta Mousse de Chocolate eu fiz de sobremesa no aniversário do marido e ficou muito boa, aerada por dentro, parece mousse de Suflair… Rendeu 5 taças dessas e um terço de uma 6ª taça. Fiz uma adaptação de uma receita que vi aqui.  Lógico que eu sempre tenho que meter minha colher de pau no meio e mudar alguma coisa, mas se não fosse assim que graça teria cozinhar?   Segue a receita como acabou ficando:                        

     Mousse de Chocolate  

  • 100g cobertura de chocolate ao leite Nestlé
  • 150g cobertura de chocolate meio amargo Nestlé (acho que só o chocolate ao leite deixa a mousse muito doce e enjoativa)
  • 1 ½ colher sopa de conhaque (acho que Whisky ficaria melhor, mas não tinha)
  • 5 ovos
  • 2 colheres sopa açúcar
  • ¾ lata de creme de leite com pouco soro
  • 1 colher sopa manteiga

Preparação:  derreta o chocolate picadinho com a manteiga em banho-maria. Bata as gemas com o açúcar e acrescente o chocolate derretido. Misture o conhaque e o creme de leite e bata bem.  Bata as claras em neve e suavemente envolva a mistura de chocolate e gemas/manteiga. Aí é que me lembrei de ter lido alguma coisa sobre a diferença entre misturar as claras na mistura ou a mistura nas claras. Lembro que havia uma diferença entre um e outro procedimento e que supostamente o resultado ficaria diferente.  Como não me lembrava o jeito mais correto resolvi colocar a mistura nas claras com um pão duro até homogeneizar bem, com cuidado para não ficar pelotas de clara mas também para não tirar o efeito das claras em neve.  Devo dizer que o resultado não poderia ter ficado melhor, a mousse ficou maravilhosa, muito aerada e fofa, além de saborosa ao estremo.  Se era o jeito correto ou não agora não vai dar diferença….
Coloque em recipientes individuais e leve à geladeira por no mínimo 3 horas cobertos com filme plástico.  Delicie-se!!!

Berinjela de presente

4 maio

             lasanha de berinjela

Ontem foi aniversário do maridão e ele pediu um cardápio especial para o jantar: Lasanha de Berinjela.  Há tempos não fazia esse prato e como está mais friozinho e ele aprecia muito, preparei a receita e ele adorou! Até meu pequeno de 1 ano e 10 meses gostou,  como eu já disse antes, estamos preparando um Pequeno Gourmet em casa. Ainda bem…

A receita eu aprendi com a minha mãe, e a única mudança que fiz, ou melhor, as únicas (senão não seria eu…!) foram usar carne moída também, já que o prato originalmente é vegetariano, mas o marido gosta muuuuito de carne… e ao invés de fritar a berinjela empanada eu só passei numa frigideira antiaderente com um pouco de azeite.

                  berinjela rajada foto: mariquita.com  

Fiz assim: cortei 3 berinjelas médias (usei as rajadas como as da foto, dizem ser mais suaves) no meio longitudinalmente, passei sal e deixei escorrer num recipiente por aproximadamente uma hora.  Ela sora e isso ajuda a retirar o amargo.  Depois descasquei as mocinhas, cortei em tiras bem fininhas, se tiver um fatiador de legumes bem afiado pode ser melhor ainda, senão use uma faca bem afiada.  Numa frigideira antiaderente passe as fatias no azeite até começarem a ficar transparentes (mais ou menos 1 minuto), não coloque muitas de uma vez.Reserve e prepare o molho de carne.

Para o molho eu usei 600 g de patinho moído (perdoe-me Ricardo, esqueci do Acém!), refoguei com alho, cebola e temperos até dourar. Acrescentei uma lata de tomates pelados (prefiro do que molho de tomate, acho menos ácidos) e deixei apurar. Verifiquei o sal e deixei esfriar um pouco.Fatiei no processador de alimentos 500 g de muzzarela, pode ser picada também, e montei a lasanha.

Num pirex quadrado médio coloquei uma boa concha do molho de carne com tomate e depois uma camada generosa de berinjela, cobri com a muzzarela e fui fazendo camadas até acabar com a última camada de muzzarela.  Não encha muito o pirex pois pode ir para fora durante o período em que estiver assando.Levei ao forno médio/alto até dourar bem a muzzarela e servi bem quentinha! Ficou uma dilícia!!!  O presente foi bem elogiado e degustado pelo aniversariante!!!

Para sobremesa uma Mousse de Chocolate que ficou um arraso, mas isso é para outro post, aguardem!

Creme de Abobrinha e Batatas com Bolinhos de Arroz

3 maio

creme com bolinhos de arroz

Ontem estava um friozinho aqui e eu sem idéias para o jantar, pensei em descongelar algo e boa…aí minha irmã me disse que faria Creme de Aspargos com pão saído do forno…atiçou as meninas aqui.

Eu não gosto de aspargos, então abri a geladeira para uma expedição arqueológica na gaveta dos legumes, e eis que vi duas abobrinhas médias que já estavam quase vencendo.  Não daria para fazer o creme que pensei, então juntei uma batata grande.  

Fiz assim: refoguei umas colheradas do Tempero da Nonna em azeite e rodelinhas de alho porro (meio talo), uns quadradinhos de bacon e juntei as duas abobrinhas médias em quadradinhos e a batata também e deixei ficar douradinho. Acrescentei água e deixei cozinhar para fazer um caldo. Verifiquei o sal e desliguei quando estava tudo cozidinho.Bati com o mixer na panela mesmo e ficou um creme verde abacate, lindo! Acrescentei a esta delícia duas colheres de sopa de creme de leite e voilá, que jantar delicioso!!!!Como não tinha pão saído do forno resolvi aproveitar uma sobra de arroz cozido e fiz bolinhos para acompanhar a sopa. Outro dia vi uns bolinhos de batata no Sabores da Lica e lembrei dos bolinhos de arroz. Combinaram muito bem.  Amo bolinhos de arroz, eles também me remetem à infância, minha avó sempre fazia e aprendi com ela, apesar de ter adaptado um pouco a receita original.Não gosto de fazer fritura,  a casa fica toda cheirando, mas depois abri as janelas bem e liguei um aromatizador de ambientes com uma essência e deu tudo certo.Os bolinhos são feitos assim: coloque no processador de alimentos duas xícaras de arroz cozido, um ovo grande, alho e cebola e cheiro verde (usei meu super tempero) e um pouco mais de sal.  Coloquei umas duas colheres de sobremesa de leite para bater e vi que precisava de um pouco de trigo para dar liga, usei duas colheres de sopa bem cheias.  Ah, e coloquei umas fatias de peito de peru para picar junto, deu um gostinho bem gostoso!Fritei às colheradas em óleo quente e servi com a sopa.  Eu uso duas colheres de sobremesa para moldar os bolinhos, fica difícil descrever a logística da coisa, mas pego uma boa colherada e depois passo a outra colher na massa e vou moldando como uma bola de futebol americano miniatura, deu para entender??? Well…acho melhor do que moldar na mão e passar no trigo. Rendeu mais ou menos uns 24 bolinhos.Hummmmmmm, delícia!

Esperança verde

2 maio

Ontem acabei de reler um livro que li há anos, Ainda resta uma esperança, de J.M.Simmel.  Lembro que li ainda na escola (há muiiiiiiitos anos…!) e adorei.  Como me mudei há pouco e estive arrumando os livros em casa ele veio até mim e resolvi novamente me deleitar em suas páginas.  Eu amo ler, reler e rereler livros, ainda mais em tempos de pouca grana…

Enfim, o livro fala sobre a Esperança, com E maiúsculo mesmo, esperança nos homens, no amor, um livro que é super atual, apesar de ter sido editado em 1952, pelo menos é a data em que está na contracapa, época de poucas alegrias e pós II Guerra Mundial.  O livro mexeu comigo, parece que ele sabia que estava precisando mesmo ler novamente sua linda mensagem, e agora estou um pouco mais leve, mais confiante que tudo se ajeita no final.

Mas isso tudo para falar que ainda tenho esperança na salvação do nosso planeta Terra, tão lindo e querido. Poder constatar que as pessoas agora têm disponíveis produtos biodegradáveis para poluir menos o nosso planetinha azul.  Antes só vendidos em grandes centros ou lojas muito especializadas, achei no Wal-Mart uma linha de produtos de limpeza não poluentes e resolvi aderir (BioWash).  Não sei se porque é lançamento na loja os mesmos não estavam caros, ao contrário achei o preço mais em conta do que os que normalmente uso.  Como não precisava de muita coisa comprei o Limpa Vidros e o Detergente.  Fiquei inspirada para contar para vocês após ler os posts do Chucrute com Salsicha e do Food Wine and Friends.

Limpa Vidros              Lava Louças O Limpa Vidros eu já usei, tem um perfume delicioso de hortelã, parece que acabamos de colher um maço na horta, e funciona mesmo!  O Detergente ainda não experimentei, está esperando acabar o vidro aberto.  A empresa que produz é a Cassiopéia e tem uma linha enorme de limpeza e até de cosméticos, apesar de não estarem disponíveis estes últimos na loja em que achei os de limpeza.  Achei o site muito claro e clean e a proposta também, e vou  continuar experimentando os produtos.  Não estou fazendo propaganda, apenas dando minha opinião.

Tempero pronto da Nonna

2 maio

tempero da Nonna

Gente, resolvi passar uma dica que parece boba mas salva no último minuto.  Desde que me entendo por gente lembro da minha Nonna fazendo tempero para cozinhar, ela descascava um montão de cebola, alho, cortava cheiro verde (muuuuuuuuito) e moía tudo no moedor de carne com sal e óleo.  Um trabalhão, moía mais de uma vez, para ficar bem fininho e não ter reclamação na hora de servir a comida, nem todos gostam de ver o tempero quando estão comendo, enfim, e a grande maioria de nós cozinheiros e cozinheiras não têm tempo nem paciência para descascar e picar alho, cebola e cheiro verde para usar no preparo das refeições.  Sem falar no cheiro que fica nas mãos, das lágrimas nos olhos por causa da cebola (quantas vezes escorria água do olho enquanto picava cebola…!) e da delícia que é ter tudo ali juntinho esperando para dançar na panela.

Hoje ela ainda faz, mas usa o liquidificador, que eu não gosto muito, acho que fica muito fininho, gosto de usar o processador de alimentos, e distribui para nós netas, para minha mãe, tios e quem mais elogiar.  O sal é a gosto, a Nonna usa um pouco mais de sal, então diminui a quantidade de tempero para cozinhar, eu e minha irmã usamos menos sal, então usamos e abusamos do tempero!

A receita é super simples: cebola (2 médias), alho (2 cabeças ou 3), um maço grande de salsinha e um de cebolinha, sal (uso mais ou menos uma colher de chá bem cheia ou uma de sopa rasa), óleo (umas 2 colheres de sopa rasas).  Há quem use manjericão (no que fiz hoje eu acrescentei), há quem prefira colocar uma folha de louro (eu acho que fica com um toque muito acentuado e reduz as possibilidades do uso do tempero), outros usam também manjerona ou alfavaca, enfim, use sua imaginação e faça mudanças variadas ou use o que tiver em casa ou na sua horta.  Essa quantidade rendeu um vidro grande, tipo de azeitona de 500 g e ainda sobrou um pouquinho.

Na hora de guardar: use vidros esterilizados e cubra com um fio de óleo.  Eu guardo na geladeira pois não coloco muito sal e tenho medo que estrague.  Há medida em que a quantidade for diminuindo troque o vidro para um menor, muito ar no interior do vidro pode estragar o tempero.

Uso na hora de fazer arroz, feijão, refogar carne, ensopados, sopas, temperar bifes, em tudo o que for fazer.  Salva a pátria e não corremos o risco de não ter em casa alho ou cebola para o refogado, já está tudo lá, prontinho para ser usado.  Uma memória de infância que me acompanha até hoje, de presente para vocês. Beijos!