Arquivo | maio, 2007

Creme de Abobrinha e Batatas com Bolinhos de Arroz

3 maio

creme com bolinhos de arroz

Ontem estava um friozinho aqui e eu sem idéias para o jantar, pensei em descongelar algo e boa…aí minha irmã me disse que faria Creme de Aspargos com pão saído do forno…atiçou as meninas aqui.

Eu não gosto de aspargos, então abri a geladeira para uma expedição arqueológica na gaveta dos legumes, e eis que vi duas abobrinhas médias que já estavam quase vencendo.  Não daria para fazer o creme que pensei, então juntei uma batata grande.  

Fiz assim: refoguei umas colheradas do Tempero da Nonna em azeite e rodelinhas de alho porro (meio talo), uns quadradinhos de bacon e juntei as duas abobrinhas médias em quadradinhos e a batata também e deixei ficar douradinho. Acrescentei água e deixei cozinhar para fazer um caldo. Verifiquei o sal e desliguei quando estava tudo cozidinho.Bati com o mixer na panela mesmo e ficou um creme verde abacate, lindo! Acrescentei a esta delícia duas colheres de sopa de creme de leite e voilá, que jantar delicioso!!!!Como não tinha pão saído do forno resolvi aproveitar uma sobra de arroz cozido e fiz bolinhos para acompanhar a sopa. Outro dia vi uns bolinhos de batata no Sabores da Lica e lembrei dos bolinhos de arroz. Combinaram muito bem.  Amo bolinhos de arroz, eles também me remetem à infância, minha avó sempre fazia e aprendi com ela, apesar de ter adaptado um pouco a receita original.Não gosto de fazer fritura,  a casa fica toda cheirando, mas depois abri as janelas bem e liguei um aromatizador de ambientes com uma essência e deu tudo certo.Os bolinhos são feitos assim: coloque no processador de alimentos duas xícaras de arroz cozido, um ovo grande, alho e cebola e cheiro verde (usei meu super tempero) e um pouco mais de sal.  Coloquei umas duas colheres de sobremesa de leite para bater e vi que precisava de um pouco de trigo para dar liga, usei duas colheres de sopa bem cheias.  Ah, e coloquei umas fatias de peito de peru para picar junto, deu um gostinho bem gostoso!Fritei às colheradas em óleo quente e servi com a sopa.  Eu uso duas colheres de sobremesa para moldar os bolinhos, fica difícil descrever a logística da coisa, mas pego uma boa colherada e depois passo a outra colher na massa e vou moldando como uma bola de futebol americano miniatura, deu para entender??? Well…acho melhor do que moldar na mão e passar no trigo. Rendeu mais ou menos uns 24 bolinhos.Hummmmmmm, delícia!

Esperança verde

2 maio

Ontem acabei de reler um livro que li há anos, Ainda resta uma esperança, de J.M.Simmel.  Lembro que li ainda na escola (há muiiiiiiitos anos…!) e adorei.  Como me mudei há pouco e estive arrumando os livros em casa ele veio até mim e resolvi novamente me deleitar em suas páginas.  Eu amo ler, reler e rereler livros, ainda mais em tempos de pouca grana…

Enfim, o livro fala sobre a Esperança, com E maiúsculo mesmo, esperança nos homens, no amor, um livro que é super atual, apesar de ter sido editado em 1952, pelo menos é a data em que está na contracapa, época de poucas alegrias e pós II Guerra Mundial.  O livro mexeu comigo, parece que ele sabia que estava precisando mesmo ler novamente sua linda mensagem, e agora estou um pouco mais leve, mais confiante que tudo se ajeita no final.

Mas isso tudo para falar que ainda tenho esperança na salvação do nosso planeta Terra, tão lindo e querido. Poder constatar que as pessoas agora têm disponíveis produtos biodegradáveis para poluir menos o nosso planetinha azul.  Antes só vendidos em grandes centros ou lojas muito especializadas, achei no Wal-Mart uma linha de produtos de limpeza não poluentes e resolvi aderir (BioWash).  Não sei se porque é lançamento na loja os mesmos não estavam caros, ao contrário achei o preço mais em conta do que os que normalmente uso.  Como não precisava de muita coisa comprei o Limpa Vidros e o Detergente.  Fiquei inspirada para contar para vocês após ler os posts do Chucrute com Salsicha e do Food Wine and Friends.

Limpa Vidros              Lava Louças O Limpa Vidros eu já usei, tem um perfume delicioso de hortelã, parece que acabamos de colher um maço na horta, e funciona mesmo!  O Detergente ainda não experimentei, está esperando acabar o vidro aberto.  A empresa que produz é a Cassiopéia e tem uma linha enorme de limpeza e até de cosméticos, apesar de não estarem disponíveis estes últimos na loja em que achei os de limpeza.  Achei o site muito claro e clean e a proposta também, e vou  continuar experimentando os produtos.  Não estou fazendo propaganda, apenas dando minha opinião.

Tempero pronto da Nonna

2 maio

tempero da Nonna

Gente, resolvi passar uma dica que parece boba mas salva no último minuto.  Desde que me entendo por gente lembro da minha Nonna fazendo tempero para cozinhar, ela descascava um montão de cebola, alho, cortava cheiro verde (muuuuuuuuito) e moía tudo no moedor de carne com sal e óleo.  Um trabalhão, moía mais de uma vez, para ficar bem fininho e não ter reclamação na hora de servir a comida, nem todos gostam de ver o tempero quando estão comendo, enfim, e a grande maioria de nós cozinheiros e cozinheiras não têm tempo nem paciência para descascar e picar alho, cebola e cheiro verde para usar no preparo das refeições.  Sem falar no cheiro que fica nas mãos, das lágrimas nos olhos por causa da cebola (quantas vezes escorria água do olho enquanto picava cebola…!) e da delícia que é ter tudo ali juntinho esperando para dançar na panela.

Hoje ela ainda faz, mas usa o liquidificador, que eu não gosto muito, acho que fica muito fininho, gosto de usar o processador de alimentos, e distribui para nós netas, para minha mãe, tios e quem mais elogiar.  O sal é a gosto, a Nonna usa um pouco mais de sal, então diminui a quantidade de tempero para cozinhar, eu e minha irmã usamos menos sal, então usamos e abusamos do tempero!

A receita é super simples: cebola (2 médias), alho (2 cabeças ou 3), um maço grande de salsinha e um de cebolinha, sal (uso mais ou menos uma colher de chá bem cheia ou uma de sopa rasa), óleo (umas 2 colheres de sopa rasas).  Há quem use manjericão (no que fiz hoje eu acrescentei), há quem prefira colocar uma folha de louro (eu acho que fica com um toque muito acentuado e reduz as possibilidades do uso do tempero), outros usam também manjerona ou alfavaca, enfim, use sua imaginação e faça mudanças variadas ou use o que tiver em casa ou na sua horta.  Essa quantidade rendeu um vidro grande, tipo de azeitona de 500 g e ainda sobrou um pouquinho.

Na hora de guardar: use vidros esterilizados e cubra com um fio de óleo.  Eu guardo na geladeira pois não coloco muito sal e tenho medo que estrague.  Há medida em que a quantidade for diminuindo troque o vidro para um menor, muito ar no interior do vidro pode estragar o tempero.

Uso na hora de fazer arroz, feijão, refogar carne, ensopados, sopas, temperar bifes, em tudo o que for fazer.  Salva a pátria e não corremos o risco de não ter em casa alho ou cebola para o refogado, já está tudo lá, prontinho para ser usado.  Uma memória de infância que me acompanha até hoje, de presente para vocês. Beijos!