Arquivo | agosto, 2007

Casinhas de sapo recheadas

31 ago

Portobello recheados

Lembro bastante que meu pai nos dizia que  cogumelos eram casinhas de sapo, não sei por que nem de onde ele tirou isso, mas já ouvi meu filhote e sobrinha (praticamente da mesma idade, 2 anos e pouco) conversando com o vovô sobre isso…a nova geração da família também gostará de casinhas de sapo, com certeza.  É um jeito legal de fazê-los interagir com a natureza.Amo cogumelos, refogados, cozidos, em molhos, em saladas, em papillote e mais ainda recheados.  Na feira vi uma bandeja de cogumelos Portobello, estavam pequenos  e mesmo com preço nada convidativo resolvi trazer para casa…há tempos não fazia essa receita e é unanimidade na mesa!  Ficam deliciosos também grelhados na churrasqueira…para quem tem é uma ótima pedida! Pode-se variar o recheio e o queijo em cima.Servi com arroz integral e carne de panela no vinho, very, very good!!!! 

Fiz assim: limpei bem os cogumelos, dizem que não se deve lavar, mas era muita terra e sujeira, passei rápido pela água e deixei escorrer em peneira.  Tirei os cabinhos com cuidado e com um boleador fui cavando o “chapéu” do cogumelo até que ficasse uma cavidade suficiente para rechear.  Tem que ser com calma e jeito pois são muito frágeis e quebram facilmente.  Todos limpos, separei os cabinhos e “carne” dos  chapéus dos ditos cujos, piquei  bem e refoguei no azeite com um dente grande de alho.  O aroma já me deixou com água na boca.Misturei esse refogado com duas colheres de sopa de queijo cremoso (cream cheese) e recheei os chapéus dos cogumelos.  Salpiquei provolone ralado em cima e levei ao forno em um pirex untado com manteiga.  Assim que o queijo derreter e ficar douradinho está pronto!De comer de joelhos…por mim esse seria o jantar, não precisava de mais nada!

Bombinhas de queijo e ervas brilham na mesa!

30 ago

Bombinhas de queijo e ervas

Com o friozinho de volta à nossa terra da garoa (que não tem garoa faz tempo!) resolvi fazer uma sopita para esquentar.  Tinha abobrinhas recém compradas na feira e bem tenras. Piquei um talo de alho porró (parte branca) ao meio e depois em meias-luas, refoguei com azeite na panela de pressão com Tempero da Nonna e acrescentei os pedaços de 3 abobrinhas médias (para pequenas) sem casca.  Cobri com água e deixei ferver por 7-10 minutos depois que a panela começou a chiar.  Bati com mixer dentro da panela mesmo, acrescentei 2 colheres de sobremesa de pedacinhos de paio e deixei apurar o sabor.  Verifiquei o sal, acrescentei um pouquinho de maisena para encorpar e meia caixinha de creme de leite.  Mas as estrelas da festa foram as bombinhas que fiz para acompanhar a sopa, gente do céu, que dica mais deliciosa, mais mimosa e mais genial da Luna!  Amei e vou fazer várias outras vezes, mudando o queijo, as ervas e até acrescentando talvez outras coisas para mudar o sabor.  Até como petiscos para uma reunião ou festinha serão sucesso garantido!  Com queijo Cheddar deve ficar um must!!!Fiz conforme a receita original mas só metade pois vi que o da Luna rendeu 100 unidades, a minha rendeu 25 mas creio que as dela devem ter sido bem pequeninas e graciosas (com certeza é mais cuidadosa do que eu).  Mudei algumas coisas, segue a receita inteira:

Bombinhas de queijo e ervas

1 xícara de água
1/3 de xícara de margarina (usei manteiga)
1 xícara de farinha de trigo
1 colher (chá) de sal
4 ovos
3/4 de xícara de queijo prato (ela usou coalho e eu provolone) ralado grosso (e uma colher (chá) de gorgonzola desmanchado)
4 colheres (sopa) de cebola picada
Ervas a gosto (ela usou salsinha e alecrim, usei tomilho-limão e manjerona secos)

Aqueça o forno em temperatura bem alta (220°). Unte levemente duas assadeiras grandes (se for anti-aderente não precisa). Aqueça a água com a margarina numa panela até que levante fervura. Junte a farinha e o sal de uma só vez e mexa vagarosamente em fogo baixo até que a mistura forme uma bola (em mais ou menos 1 minuto).
Retire do fogo e coloque na tigela da batedeira. Junte os ovos e bata bem, até a massa ficar lisinha (fica um pouco grudenta). Acrescente o queijo, a cebola e as ervas e mexa bem com uma colher. Deixe cair as colheradas de chá (ou faça as bombinhas com um saco de confeitar) sobre as assadeiras. Asse em forno quente de 15 a 20 minutos, até que cresçam e dourem. Sirva quente. Rende mais de 100 bombinhas.
Fiz em saco de confeiteiro mas acho que cortei o bico meio grande, da próxima vez vou tentar com bico pitanga e talvez ralar a cebola para passar sem problemas pelo bico.
Fonte: Recorte sem fonte.

Um beijo para o vovô

29 ago

carrilhão do vô

fonte: Philips Clock Shop

Hoje meu avô faria 85 anos, ele nos deixou em outubro último e ainda é muito difícil entrar na casa dele e da minha avó e não vê-lo ou ouvir sua voz e sentir o calor do seu abraço.  Homem sério, vindo de uma família de imigrantes italianos que passou fome antes do meu tataravô resolver tentar a vida do Brasil.  Meu bisavô chegou aqui meninote e a família trabalhou muito para conseguir um pouco de conforto.  Lembro muito das histórias que ele contava sobre a cerâmica que tinham, do começo difícil e suado, da grande família em torno da mesa e de não ter tido brinquedos para brincar quando pequeno.Nunca conheci pessoa mais honesta e sincera. Meu avô era simples e muito culto, sabia arranhar no inglês, espanhol e até tentava algo no alemão.  Conversava sobre tudo, lia muito e adorava mapas.O som do relógio carrilhão da sala de estar até hoje me arrepia e me faz lembrar com saudades sua pessoa. Te amo, vô. Fique em paz.Desculpem mas esse post é para ele, que tanto apreciava uma boa mesa mas no final da vida não conseguia mais comer as coisas de que mais gostava.  Saudades. 

Salada de Frutas_ antioxidantes para viver melhor!

24 ago

salada de frutas

Desde pequena escuto que comer frutas faz bem, que é muito saudável e ajuda a prevenir doenças.  Além das aulas de Ciências e Biologia não precisei pesquisar muito sobre as Frutas, sempre gostei e não é sacrifício nenhum comer maçãs, laranjas, melancia, uvas, morangos, bananas, figos, lichias, affff, já estou com água na boca.  Em casa as fruteiras sempre estiveram cheias, sim, fruteiras, no plural mesmo.  A maior delas era linda, de ferro esmaltado, acho que era na verdade uma assadeira gigante, daquelas que assava um leitãozinho inteiro no forno, ficava na varanda sobre uma mesa enorrrrrrrrme (que um dia foi de uma fazenda) e o colorido encantava os olhos.  Na cozinha ficavam mais duas ou três, com laranjas, limões e outras frutas que eram mais sensíveis.  Sucos de fruta reinavam absolutos e a jarra de mais de 1,5l não dava conta do almoço todo, sempre alguém reclamava que queria repetir e não havia sobrado…

Depois de casada consegui fazer o marido apreciar as ditas cujas também, na verdade ele não desgostava, somente não estava acostumado a grande variedade que nos é ofertada, o básico laranja, banana e maçã eram velhos conhecidos, mas as outras primas e primos foram aos poucos conquistando seu paladar.  Agora o filhote não decepciona, adora as frutas nos sucos e vitaminas, sobremesa, lanche da tarde e leva para a escola banana, maçã, mexerica sem o menor problema. Orgulho da mãe!

Salada de fruta então é uma paixão em casa, no verão escaldante nada melhor do que uma taça gelada dessa maravilha, com aquele suquinho para molhar as frutas picadas.  Não acrescento nada além de frutas e suco de laranja espremido na hora, mas há quem coloque groselha (o xarope – sorry, mas não é para mim!) e até guaraná (o refri).  Sempre tem uma tigela com salada de frutas em casa para os lanchinhos da tarde ou mesmo aquela fome da madrugada.  

E de manhã não há nada que me deixe mais feliz do que frutas picadas com iogurte natural, granola e geléia para adoçar (não gosto de usar açúcar, a geléia feita em casa dá o toque!).  Muitas vezes esse é o meu café da manhã, quando está muito quente vira almoço e outras vezes jantar, é leve e muito nutritivo!  Tempos atrás tive uma indisposição estomacal e passei quase uma semana a base dessa dieta, era o que conseguia comer e eu sabia que me alimentava mais do que biscoito água e sal…

Esta salada de frutas ficou especial: Kinkan em rodelas, Kiwi da casa dos meus pais, maçãs Catarina orgânicas (de São Joaquim, SC), morangos da época e figos secos chilenos em pedacinhos. Tudo isso foi envolvido em iogurte + granola + um pouco de mel (a geléia tinha acabado!) e comecei o dia com os dois pés esquerdos!

OBS: acho que não estava com os neurônios funcionando direito ao escrever este post, na verdade os dois pés foram os direitos!!!

Informações mais técnicas mas nem por isso chatas:

  • “Algumas das propriedades protectoras das frutas, nomeadamente a luta contra o envelhecimento precoce e a acção preventiva de vários cancros, devem-se ao elevado nível de antioxidantes.
    Estes antioxidantes que combatem os radicais livres (moléculas oxigenadas, tóxicas, produzidas pelo nosso organismo como resultado de diversos factores como fumar, exposição a raios solares, stress, poluição, e que originam danos ao nível celular, alguns deles irreversíveis e que podem mesmo levar à morte celular) são, assim, responsáveis pelas propriedades protectoras que fazem da fruta um bem tão vital à nossa saúde.
    As vitaminas A, C e E, que se encontram nas frutas, são os antioxidantes mais conhecidos.” (Fonte: Saúde Sapo)
  • “A celulite é uma retenção de água e de toxinas nas células. Então um suco, por exemplo, de abacaxi, maçã e cenoura seria uma maneira natural de prevenir a celulite. O abacaxi, porque tem uma enzima chamada bromelina, que é antiinflamatória. Além disso, ele é levemente diurético. A maçã, porque é a vassourinha do organismo, ela ajuda a eliminar todas as toxinas. E cenoura, que é riquíssima em vitamina A, que é importante para recuperação e regeneração do tecido celular.”    “Contra a depressão – que afeta a mente e o corpo – laranja, manga e banana, juntas. As pessoas deprimidas, normalmente, têm pouca vitamina C, e a laranja é riquíssima em vitamina C. Essas pessoas também têm pouca vitamina A, e a manga é uma das frutas que tem mais vitamina A. A banana dá mais energia”, ensina Jane Corona.   Até as tensões do dia-a-dia podem ser enfrentadas com frutas: é o suco antiestresse!  (Fonte: Toda Fruta)
  •  Frutas e vegetais são repletos de nutrientes que podem prevenir a ativação dos genes do câncer. “Nós estamos conseguindo uma definição muito boa de nível molecular de como esses ingredientes funcionam para combater o câncer”, disse Steven Zeisel, chefe do departamento de nutrição da Universidade de North Carolina em Chapel Hill. (Fonte: Sítio Veg)

Em tempo: as frutas são um alento para seu corpo e alma, mas dê preferência às orgânicas e aquelas da estação (veja este post). Seja mais feliz.

Mimos da Roça

22 ago

Mimos da Roça

Simples assim, a caixa se abre e de repente o aroma maravilhoso toma conta da sala e lá estão elas, maçãs Fuji e Catarina, lindas, orgânicas e de presente para nós!  As ervinhas são manjerona, tomilho e tomilho-limão, direto da horta da mamma!  Tem coisa melhor do que ganhar este agrado de quem nos ama?  Esta é só uma parte dos mimos que eles trouxeram (meus pais) desta vez e só isso já me faria muito feliz!  Só tenho que agradecer muito. Amo vocês!

Aguardem as cenas dos próximos capítulos…

Pão de Minuto Provençal

21 ago

Pão de Minuto Provençal

Dia desses fomos lanchar na casa da minha irmã e fiquei incumbida de levar um bolo, mas achei que era muito pouco já que todo o resto ficaria por conta dela e resolvi levar também um pão feito em casa.  O negócio é que decidi isso em cima da hora e não daria tempo para o pão crescer duas vezes como normalmente acontece… e aí?  A maravilha da “mudernidade”, como diz meu pai, me ajudou nessa, achei esta receita de Pão de Minuto super fácil e muito saborosa.  Imaginei que ficaria gostosinho, mas no final ficou muito bom mesmo, me surpreendeu porque para variar eu mudei algumas coisas na receita original e não sabia o que daria…Não precisa sovar, é só misturar tudo com uma colher de pau, não precisa deixar crescer e aceita muito bem pitacos da sua imaginação para mudar o recheio!  Quer mais?  Já fiz duas vezes e foi aprovadíssimo!A receita original é daqui e segue abaixo com algumas observações e mudanças feitas por mim. 

Pão de Minuto Provençal 
2 xícaras (chá) de farinha de trigo; 5 colheres (sopa) de óleo; 3 colheres (sopa) de azeite; 2 ovos inteiros (usei orgânicos); 1/2 xícara (chá) de leite (da segunda vez usei iogurte feito em casa e deu super certo); 1 colher (sopa) de fermento em pó (o de bolo mesmo!); 1/2 colher (chá) de sal; 1 xícara (chá) de queijo tipo prato, ralado na parte grossa do ralador (100g) *; 1 xícara (chá) de rúcula cozida (não usei); 150g de Lombo Cozido em Cubos Aurora (não usei); orégano para polvilhar

*não usei queijo prato pois não tinha, da primeira vez coloquei umas duas colheres de parmesão ralado e ficou ótimo.

 Observações: na primeira vez que fiz a receita acrescentei 1/3 xíc. de azeitonas pretas sem caroço e uma colher bem cheia de cebola refogada do azeite.  E da segunda além desses dois ingredientes coloquei três colheres de sopa de peito de peru defumado cortado em tirinhas. Acho que da próxima vez colocarei tomates secos.

Numa tigela, junte a farinha de trigo, o óleo, o azeite, os ovos inteiros e o leite, mexendo sempre após cada adição. Junte o fermento e o sal. Acrescente o queijo, a rúcula e o Lombo Aurora desfiado (no meu caso a azeitona, cebolas e o peito de peru defumado). Despeje a massa numa fôrma de bolo inglês (22 x 11 cm) untada e enfarinhada. Polvilhe o orégano sobre a superfície e leve ao forno médio (180ºC), pré.aquecido, por cerca de 40 minutos ou até que, enfiando-se um palito no interior do pão, este saia limpo. Desenforme e sirva morno ou frio. Rendimento: 8 porções (acho que rende mais do que isso, umas 12 fatias de bom tamanho)

Em tempo: Larissa, esse pão é perfeito para o lanche do domingo e facílimo de fazer, viu? O clã Moraes irá aprovar e o Zé também!

Comfort Food: Bolo de Banana com Granola e Nozes

17 ago

Bolo de Banana com Granola e Nozes 

Séculos sem postar…correria danada, o dia a dia vai tomando conta e não dá para administrar a agenda, chega a noite estou tão cansada que não tenho ânimo para ficar em frente ao computador.  Estou finalizando um projeto profissional que logo logo aparecerá por aqui…e isso está tomando tempo, mas é para o nosso bem, então vamos lá. Tenho cozinhado normalmente, mas nada de muito diferente ou extraordinário, fora um pão novo aqui, um jantar ali, mas foto que é bom,nada…. Agora a noite me deu vontade de comer bolo de banana, e como é super simples de fazer e de um sabor dos deuses lá fui eu para a cozinha e voilá.  O aroma do bolo perfuma a casa, dá para sentir de longe.  Esse é aquele bolo que a gente sempre faz quando aperta o tempo e é necessário algo para o lanche ou para a visita inesperada, tipo coringa, sabe?  Em dez minutos está na forma dentro do forno, saiu, esperou um pouco para desenformar e pronto: coe um café e se delicie!Sempre levava para o trabalho e era um perigo, se não ficasse esperta não sobrava uma fatia para a boleira!  A receita original é do bolo de laranja*  que minha avó me ensinou, infelizmente não sei a fonte, e eu resolvi mudar para banana nanica, então segue como ficou: 

Bolo de Banana com Granola e Nozes

No liquidificador: duas bananas nanicas, 2 ovos grandes inteiros, ¾ xíc. de óleo e uma colher de chá de canela em pó. Bata muito bem para aerar a massa, cerca de 5 minutos.  Transfira para uma tigela e acrescente 2 xíc. de trigo branco, 1 xíc. de açúcar mascavo, 1 xíc. de açúcar branco, 1 colher (sopa) de fermento em pó, ½ xíc. de granola (usei a que faço em casa) e um punhado de nozes picadas.  Misture muito bem com uma colher de pau e coloque mais uma colher (chá) de canela em pó.  Quando me lembro costumo acrescentar neste estágio uma banana nanica em rodelas, ela fica parecendo doce de banana quando se corta o bolo já assado, muito bom!!! E quem gosta pode acrescentar cravo da índia inteiro ou moído (na hora, please!).Neste bolo em particular acrescentei granola, mas normalmente faço sem e quando as nozes estão em falta na despensa não deixam o bolo menos especial.  Leve para assar em forno pré-aquecido a 200º (ou na temperatura em que costuma assar seus bolos, já percebi que fornos são muito temperamentais!!!) em forma untada e enfarinhada. Usei uma forma de bolo inglês grande, mas pode ser forma de muffins ou até um tabuleiro.  O ponto é aquele do teste do palito: quando inserido no bolo deve sair sequinho.  

É um coffe cake simples e maravilhoso! Dá para congelar pedaços e ir tirando do freezer a medida em que for consumir, pode deixar descongelar em temperatura ambiente e se quiser amornar para comer.  Eu não resisti e passei manteiga em cima da fatia ainda quente, ô perdição!!!

*Bolo de Laranja da minha avó: troque a banana por duas laranjas com casca e sem sementes (gosto muito de usar mexerica cravo ou morcote) e não uso o açúcar mascavo. Aí são duas xíc. de açúcar brano mesmo.  Depois do bolo assado e desenformado pode-se jogar o suco de uma laranja em cima do bolo.  Muito bom!  É uma receita que dá para fazer com várias frutas, é só usar a imaginação!

Sabores da minha terra São Paulo: Pastel de Feira

7 ago

Pastéis

A Claudia do Doces Encontros me passou uma incumbência em Junho e só agora consegui dar conta…postar um prato para o Sabores da minha terra, é um evento em que se posta uma receita que tenha a ver com o local em que nascemos ou com o qual nos identificamos.  Que vergonha!!!

O que achei mais difícil é que me considero uma pessoa do mundo, já morei em tantas casas que nem me lembro mais (ups…essa é a música…), morei em estados diferentes e até fora do país e não conseguia me decidir por um só local que traduzisse como minha terra e tivesse um prato típico. Parênteses: de forma alguma quero passar por metida ou algo do gênero…mas é a verdade, essa é a minha história. 

Pensei, pensei e muuuuuito tempo depois decidi fazer mais de um prato que fosse importante para mim e traduzisse o que eu sinto pelo seu local de origem.  O prato de hoje é um “acepipe” típico das feiras do estado de São Paulo, onde nasci, e não conheço uma pessoa que não se renda ao Pastel recém frito muitas vezes acompanhado de uma garapa (caldo de cana).  Depois de muito tempo longe de São Paulo estou de volta e o programa de sábado em casa e ir à feira comer pastel e garapa com limão! Meu filhote já acorda falando nisso e não sossega enquanto não formos.  Engraçado é que vejo muitas famílias que fazem o mesmo ou então o pai vai comprar o pastel sem fritar para ser um acompanhamento do almoço do sábado.

O estado de São Paulo teve forte imigração japonesa e não há feira sem banca de Pastel do Japonês, que está invariavelmente cheia de gente se deliciando com a crocância da delícia.  Não são como os que fazemos em casa, muitos não tem azeitonas ou ovos, mas matam a vontade daqueles que ali estão e parecem ter um sabor especial.  Não há segredo em sua preparação, comprei a massa pronta no supermercado, fiz dois tipos de recheio: carne moída e banana com canela e nozes. Use sua imaginação para criar outros.

carne mo�da e banana

O salgado fiz assim: fritei a carne moída até ficar douradinha com azeite e tempero da Nonna (pode ser alho e cebola), acrescentei sal, um pouco de catchup e mostarda só para dar um toque.  Azeitonas fatiadas, ovo cozido picadinho e cheiro verde.  Recheie e frite o pastel.  A carne deve ser sequinha.

O doce foi uma vontade de comer banana assada que me inspirou: banana nanica em pedacinhos (usei uma e rendeu dois pastéis pequenos), duas colheres de chá de açúcar, pitadas de canela em pó e duas colheres de sopa de nozes picadas. Misture bem e recheie para fritar.

Dica: recheie o pastel só na hora em que for fritar, a massa pode ficar mole por causa do recheio úmido.  E só faça a quantidade certa, não fica legal guardar para fritar depois. Melhor guardar a massa e o recheio separados.

C is for Cookie (Heath Bar Cookie)

4 ago

cookie

Adoro cookies e gosto de experimentar novas receitas com ingredientes inusitados ou que não se pensaria em usar num cookie.  Muitas vezes leio várias receitas em diversos blogs e acabo copiando para testar depois, mas esta receita me pegou de jeito e desde a hora em que li os componentes achei que seria uma grata surpresa!  Sabe aquela receita que fica martelando na cabeça e a gente não sossega enquanto não faz? Pois é…e como vem da Elise não poderia ser coisa sem graça, então fiquei matutando quanto às substituições que teria que fazer pois um dos ingredientes principais, Heath Bars, não são encontrados por essas bandas, pelo que entendi são barras de caramelo, chocolate e amêndoas ou nozes, e cheguei a conclusão de que balas de caramelo mole e chocolate em pedacinhos dariam conta do recado.  E deram, os cookies ficaram muito saborosos e gostosos, apesar da aparência um pouco diferente da foto na receita original.  Lógico que nem tudo são flores então alguns cookies vazaram, isto é, o caramelo submetido a alta temperatura do forno derreteu e melou…a segunda foto mostra bem como ficaram.  Mas contabilizando tudo acho que uns 70% ficaram bem redondinhos e lindos.  Eu ainda não assei tudo, a receita pede para deixar a massa na geladeira no mínimo por 30 minutos a uma hora, deixei uma hora, fiz um pouco ontem e o resto ainda está lá esperando para ser assado .  Rende bem.  Outra substituição básica que fiz foi usar chocolate meio amargo em pedaços ao invés de nozes, deu super certo.  Vamos à receita traduzida daqui com as minhas anotações:

2 1/2 xíc. trigo; 1 colher (chá) sal; 1 colher (chá)  bicarbonato de sódio; 1 xíc. manteiga sem sal (temperatura ambiente); 1 1/2 xíc. açúcar; 2 ovos; 1 colher (chá) de baunilha; 1 1/2 xíc. de pedacinhos de Heath Bar (usei uma xíc. de caramelo picadinhos); 1/2 xíc. de nozes picadinhas (usei chocolate meio-amargo picado)

1 Peneire o trigo, sal e bicarbonato de sódio, reserve. Numa outra tigela misture os pedacinhos de Heath Bar e as nozes (caramelo e o chocolate no meu caso).  Reserve.

2 Bata a manteiga até ficar um creme fofo.  Acrescente o açúcar e continue batendo até ficar um creme claro e fofo (uns dois minutos).  Junte os ovos (um de cada vez) e a baunilha.

3 Acrescente a mistura de Heath Bar e a dos ingredientes secos alternando em 3 adições, batendo até que fique bem homogêneo.  Refrigere a massa por pelo menos 30 minutos (melhor uma hora).

4 Pré-aqueça o forno a 177ºC.  Em formas de assar cookies (melhor são aquelas baixinhas, quase sem bordas) forradas com papel manteiga ou Silpat (usei manteiga, mas acho que o papel manteiga é bem melhor pois não dá trabalho depois na hora de lavar) disponha bolinhas de massa (do tamanho de uma bola de gude grande distantes 7.5 cm umas das outras.  Tenha o cuidado de deixar espaço entre os cookies e não fazer bolinhas muito grandes.  Os cookies espalham bem.

5 Asse por 10/12 minutos até que as bordas comecem a ficar douradinhas.  Retire do forno e deixe esfriar por alguns minutos.  Coloque numa grade até que esfriem completamente. Rende aproximadamente 6 dúzias de cookies (os meus ainda não assei todos, mas acho que não darão tantos).  

cookie 2 

Esses foram os que o caramelo derreteu, não ficaram tão bonitos mas o gosto não ficou diferente, muito bom!

Sopa gratinada de cebolas

2 ago

Sopa gratinada de cebolas

Ontem ainda estava bem frio por aqui e resolvi fazer essa sopa que há séculos não entrava no menu de casa, por mero esquecimento e não merecimento… Como era só para duas pessoas fiz uma quantidade que não queria que sobrasse, meio a olho mesmo, para esquentar os nossos ossos e alma.

Fiz assim: fatiei em rodelas finas 5 cebolas médias e refoguei em azeite com um pouco de manteiga até dourarem.  Quando estavam douradinhas coloquei um pouco de conhaque (mais ou menos 2 dedos) e deixei apurar o sabor (fica divino), coloquei sal e um tempero chamado Lemon Pepper (na verdade a receita original vai só pimenta do reino, mas quis experimentar e achei que ficou muito bom).  Acrescentei caldo de legumes (uns três dedos a mais do que a altura da cebola na panela) e deixei pegar um pouco o gosto. Pode-se usar caldo de carne ou frango.  Engrossei com um pouco de amido de milho e liguei o forno para pré-aquecer enquanto arrumava a tigela que foi ao forno com a sopa.Numa tigela refratária coloquei um pouco de azeite e quatro fatias de pão no fundo (tinha deixado o pão dar uma tostadinha no forno antes) – o melhor pão é o italiano mas não tinha então fiz com um pão de milho delicioso (receita vem logo) que deu um toque interessante ao sabor final da sopa.  Coloquei a sopa em cima das fatias de pão e salpiquei bastante parmesão ralado e umas pitadinhas de gorgonzola.  Fica mais gostoso com um queijo tipo Gruyére ou Ementhal mas a mistura que fiz deu um jeito muito bom.  Levei ao forno para gratinar, fica uma casca de queijo bem dourada e crocante…muuuuuuuuuito bom! 

E acompanhou um vinho argentino tinto seco delicioso: Malbec Oak Aged (Finca Flichman).  Estou aprendendo a apreciar os vinhos secos…e esquentou bem! 

Obs: esta receita foi o resultado de uma fusão de várias que já lemos e fizemos em casa, então não tem uma fonte certa, ok?

English version: I will be taking part in an event called The Second Annual Soup Challenge, here you can read all about it. 

“Onion Grated SoupYesterday it was still cold around here and I decided to fix this soup. It hasn´t been on our menu for ages just because the daily cooking takes place and we seem to fix the same old recipes.  Since it was only to feed two I did cook only the exact amount we use to eat, not following all the directions on the recipe.

This is how it´s done:  chopped the onion in slim slices and sautéd in olive oil and a little bit of butter until golden.  When browned put some cognac (two fingers in the glass) and let cook for a while (it is great!), put some salt and Lemon Pepper (the original recipe calls for black pepper but I wanted to see how this other one would come out, really good! ).  Put some vegetable stock (three fingers upon the onions in the pan) and cook for a little bit.  You can use chicken or meat.  Put a little bit of corn starch and cooked to make it thicker.  Pre-heated the oven and put the soup in an oven proof bowl to gratin.  Before that I put in the bottom of the bowl  a little olive oil and four slices of bread. The best is the Real Italian bread, but since I did not have at home I used a homemade corn bread which gave an interesting country touch to the soup.   Poured the soup over the bread slices and a lot of parmesan cheese with tiny bits of Roquefort (Gorgonzola, Blue Cheese) on top.  I think is is tastier with  Gruyére or Ementhal but my cheese mix worked fine.  Oven until the top is brown, you should gratin the cheese.  Very good!

To drink we had an Argentinian dry wine called Malbec Oak Aged (Finca Flichman).  “