Arquivo | setembro, 2007

Olive-Oil Brownies

12 set

Olive-oil Brownies

Mais uma vez a chocólatra dentro de mim falou mais alto, estava literalmente viajando nos blogs (dentre eles alguns novíssimos para mim) e vi esta receita que me deixou com a pulga atrás da orelha…  Adoro a possibilidade de conhecer pessoas e culturas diferentes através das receitas e posts em seus blogs, não há como dizer que a Internet não é mágica neste sentido.   Mas volto a receita, que é feita com azeite ao invés de manteiga na massa. Nunca comi bolo de chocolate feito com azeite, muito menos brownie, que eu amo de paixão.  Confesso que fiquei meio intrigada e resolvi logo pôr a mão na massa, rápido e rasteiro coloquei para assar e fiquei olhando a todo instante o forno para ver se já estava no ponto.  A casquinha ficou crocante e quebradiça, que é como deve ser e a massa assada está como um fudge, não é fofa como bolo nem compacta demais como pudim.  

Gostei muito do resultado e embora não tenha mudado a receita desta vez (milagres acontecem) acho que na próxima vez que fizer usarei manteiga para experimentar e umas raspinhas de mexerica para dar um toque diferente, além de diminuir o açúcar para ½ xícara.

A receita original está neste blog divino e a traduzida segue aqui:

Olive-oil Brownies

4 oz (115g) do melhor chocolate meio amargo (pelo menos 70% cacau), em pedacinhos (coloquei um pouco mais, cerca de 130g)
1/3 xíc. (80ml) azeite virgem de oliva
1/2 xíc. (70g) farinha de trigo
1/4 colher (chá) de sal marinho
2 ovos grandes em temperatura ambiente
3/4 xíc. (150g) açúcar refinado ou de confeiteiro (usei refinado)
1 colher (chá) de extrato de baunilha
2/3 xíc. (70g) avelâs levementes tostadas em pedaços (usei nozes sem tostar – ½ xíc)
chantilly para servir (opcional)(não usei)

Pré-aqueça o forno a 350F/175C.  Forre uma forma de 20 x 20cm de papel manteiga com um pouco de azeite e polvilhado com trigo, de forma de o papel caia pelos lados da forma – auxilia na hora de desenformar.Derreta o chocolate em banho-maria ou no microndas e acrescente o azeite (deixei cerca de 1 minuto no micro).  Reserve para esfriar.Misture o trigo e o sal numa vasilha pequena.  Numa tigela grande bata os ovos e o açúcar até que fique clara a mistura, um pouco grossinha, cerca de 5 minutos.  Acrescente a baunilha e a mistura fria de chocolate, junte então o trigo/sal e as nozes, mexendo somente para combinar os ingredientes.  Coloque na forma preparada e distribua bem a massa.  Asse por 22-26 minutes (a pessoa que postou a receita disse para tomar cuidado e chegar antes do tempo recomendado para evitar que asse demais.  O meu demorou mais tempo, quase 40 minutos, mas depende do seu forno).  A parte de cima estará seca e quebradiça, mas ao testar com um palito o centro deve estar um pouco úmido.  Esfrie totalmente e corte em quadradinhos.  Caso deseje sirva com chantilly.

Anúncios

Dundee Marmalade

10 set

Dundee Marmalade

Adoro experimentar novas receitas e descobrir novos sabores, aromas e texturas gastronômicas, pode ser um novo suco, biscoito, um doce, salgado ou mesmo uma geléia, como é este caso.  Quando criança não me interessava muito pelas marmeladas e suas “primas” e agora vejo que perdi tantas delícias….mas tudo bem, na vida a gente tem que melhorar e aprimorar, não é?  Esta receita há muito estava pedindo para ser testada, é uma geléia mais amarguinha do que as açucaradas disponíveis no mercado.  Gosto muito de fazer geléias e acho o máximo comer uma fatia de pão ou iogurte com as minhas produções.  Esta aqui eu nunca havia feito nem provado, então acho que ficou muito gostosa.  Minha irmã e minha mãe acham que da próxima vez deveria diminuir um pouco o açúcar – em casa não somos muito adeptos das coisas muito açucaradas.  Definitivamente será testada novamente para apurar o paladar.

A receita é de uma famosa geléia Escocesa chamada Dundee Orange Marmalade e vem dos idos de 1700.  A história contada é que um comerciante da cidade de Dundee comprou o carregamento de laranjas de um navio espanhol que se refugiava de uma tempestade no porto local.  Ocorre que ao comprar as laranjas verificou que eram muito amargas e não conseguiria vendê-las.  Sua esposa aproveitou as frutas para fazer conservas e ficaram tão populares que o comerciante começou a comprar regularmente as tais laranjas (Sevilles).  Em 1797 outra geração da família resolveu abrir a primeira fábrica de geléias do mundo, a Keiller. 

Segue a receita traduzida daqui com as minhas observações (que ninguém é de ferro!).

Dundee Marmalade

1.820 g de laranja Seville ou laranja amarga (usei Mexerica Rio)
2 limões
8 xíc. de água
3.640 g de açúcar (usei 1k e acho que ainda ficou doce)

Lave as laranjas e limões e coloque inteiros numa panela grande. Junte a água e deixe cozinhar por 1 ½ h até que a fruta esteja com a casca macia e possa ser facilmente furada.  Quando estiver no ponto remova as frutas e deixe esfriar.  Retire as cascas e com cuidado raspe toda a pele branca, corte em fatias bem finas.  Achei bem fácil fazer isso pois as cascas não estavam nem duras nem molengas, ficaram no ponto certinho para raspar a pele branca. Bem fácil. Retire as sementes e junte ao suco, ferva por 10 minutos e coe.  Acrescente as cascas cortadas ao suco, leve para ferver, junte o açúcar e mexa em fogo baixo até dissolver.  Deixe ferver sem mexer por ½ h ou até que esteja em ponto de geléia (mais ou menos 108°C).  A minha receita demorou mais tempo, talvez por eu ter reduzido a quantidade de açúcar.  Para ver se está no ponto: pegue uma colher de geléia e jogue o conteúdo em uma panela gelada, irá enrrugar se estiver pronta.
Esterilize vidros por no mínimo 10 minutos em água fervente e uns 3 minutos as tampas (de alumínio).  Despeje a geléia nos vidros ainda quentes e tampe imediatamente. A minha receita rendeu quase 2k de geléia.  Da próxima vez acho que colocarei mais mexericas, gosto de morder a casquinha ao comer a geléia.

Có-có-ri-cós

6 set

Có-có-ri-cós

Não resisti a esta lindeza, são várias galinholas feitas de tecido e miçangas penduradinhas para enfeitar a casa, escritório ou onde se desejar.  Pendurei as minhas na porta da cozinha, ficaram felizes e alegraram mais o ambiente!Ótimo feriado!

Feliz é aquele que tem amigos

5 set

Friends-on-bench

Fonte: Webweaver

As queridas Claudia do blog Doces Encontros e Silvia do Doce Casinha convidaram-me a participar na corrente da amizade entre blogueiras que funciona da seguinte forma: cada pessoa escolhida indica mais dez com o objetivo de agradecer a gentileza que tiveram de compartilhar conosco as suas artes, pensamentos e um pouco da sua vida. Depois de escolhidas as participantes, devemos fazer uma visitinha ao blog de cada uma e deixar um comentário avisando da corrente.Fiquei um tempão pensando em quais blogueiras (os) poderia indicar para essa corrente e não consegui numerar somente 10…desde que comecei neste mundo virtual conheci tantas pessoas especiais e amigas que não posso simplesmente enumerar algumas.  Não seria justo.  Foram vários recados carinhosos, palavras amigas que muitas vezes me fizeram sorrir num dia cinza e outras trouxeram lágrimas aos olhos.  Não tenho o menor problema em dizer que estou blog addicted, me faz muita falta não estar por aqui, deixar de ler os posts sobre a vida, cozinha, sentimentos e delícias de todos vocês.  Graças a Internet posso dizer que tenho queridos amigos espalhados nos quatro cantos do globo, de que outra forma eu teria isso?

Obrigada pela indicação Claudia e Silvia, vocês são muito queridas.  Deus ilumine vocês.

Bolo Invertido de Banana Nanica e Kinkan

3 set

Bolo Invertido de Banana Nanica e Kinkan

Esta receita é tão boa que não pensei duas vezes quando resolvi usar as bananas que estavam implorando minha atenção na fruteira…só que não foram suficientes para cobrir o fundo da assadeira, olhei à volta e algumas Kinkans também me acenaram sorridentes, voilá, misturei as duas frutas ao caramelo e a combinação ficou divina…de outra vez usarei só Kinkan, o caramelo deu um tchan a essa laranjinha e achei que ficou muito bom!Já havia postado a receita deste bolo aqui, mas como fiz algumas mudanças e achei que ficou mais gostoso ainda, pensei em dividir com vocês. Da receita original substitui o leite por iogurte natural, acho que o iogurte dá uma textura muito mais interessante aos bolos e pães e quando tenho na geladeira sempre faço a troca.  Novamente esqueci de colocar o limão, será que fica muito diferente????  Para caramelizar a forma a receita pede ¾ xíc. de açúcar, usei ½ xíc. de açúcar branco e o resto de açúcar mascavo.  Em vez de pera usei banana nanica e kinkan (as duas frutas cortadas em rodelas, a kinkan tirei os caroços), sendo que estas últimas foram só no meio da forma, visto que as bananas acabaram e foram usadas nas camadas externas da forma.

A massa desse bolo me encanta, fofíssima, parece pedaço de nuvem!  Com café ou chá, no café da tarde, lanche ou até no café da manhã (como eu comi hoje!) é uma deliciosa fatia de alegria.

Boa semana!