Arquivo | maio, 2010

Bread Baking Day #30 : Twisted Breads (Pães torcidos)

12 maio

image

O Bread Baking Day #30 tem como tema Twisted Breads, ou seja, Pães Torcidos (trançados, entrelaçados, torcidos de alguma maneira!). Este evento é uma celebração à arte da Panificação criada pela Zorra, do blog Kochtopf.  Já participei várias vezes e asseguro que além de aprender muitas novas dicas e receitas, o desafio de procurar e testar uma nova forma de fazer pão é uma delícia! 

Há também uma comunidade do Bread Baking Day no Facebook, dê uma olhada e torne-se um fã.

Este evento de número 30 tem como anfitriã a Natashya, do Living in the kitchen with puppies.

Como participar do Bread Baking Day #30

  • Asse um pão feito com fermento, doce ou não, com a forma retorcida, da maneira que preferir (trançados, entrelaçados…use sua imaginação).
  • Faça uma postagem no seu blog com um link para o post da Natashya.
  • Uma receita por blog, por favor.
  • A receita deverá ser em inglês.
  • Caso não possua blog envie o texto, foto e detalhes da receita (tudo em inglês) para a Natashya.
  • Envie um email para livinginthekitchenwithpuppies@hotmail.com  com os seguintes dados:
    • Nome
    • localização (cidade e país)
    • nome e URL do blog
    • o nome do pão e o link para a postagem
    • uma foto do pão (250px)
    • Assunto: BBD#30: Breads with a Twist!
  • A postagem deverá ser feita até o dia 1de junho de 2010, bem como o envio do email para a Natashya.

Vamos participar? Depois será publicado um post pela anfitriã Natashya com todas as receitas enviadas e links para os blogs participantes!

Anúncios

Quindim ou Brisa do Lis

10 maio

maio10 012

Espero que todas as mamães tenham tido um domingo lindo e muito feliz! Consegui passar o dia das mães com minha mãe e também com a minha irmã querida, também mamãe! Foi uma delícia! Acabamos viajando para o interior e pegamos um friozinho bem europeu, o termômetro marcava 10ºC…uma névoa…deu a maior preguiça de voltar…

Vamos ao quindim… O marido fez aniversário no início do mês e eu quis fazer um super agrado. Resolvi que o jantar seria massa (que ele ama!) e de sobremesa Quindins!  Preparei tudo e eis que perto da hora que ele sai do trabalho me liga dizendo que estava fazendo um relatório de última hora e que não tinha hora para sair da empresa…  Bom…lógico que fiquei chateada, não com ele que não teve culpa, mas o jantar de comemoração virou um jantar em etapas…enfim, ele gostou mesmo assim e adorou a surpresa!

O quindim é um doce da minha infância, minha avó sempre fazia, ela usava ovos de pata ou gansa (vindos do sítio que tinham) e os docinhos eram devorados com um prazer enorme pela família toda! Atualmente o sítio já foi vendido e minha avó não se aventura mais na cozinha, então minha mãe, eu e minhas irmãs nos encarregamos de aprender os quitutes para continuar a tradição. 

Também chamado de Brisa do Lis em Portugal, lá o doce leva amêndoas.  Diz-se originário da Leiria, às margens do rio Lis.   Esse doce de lá na terrinha caiu nos encantos do nosso povo. Leia mais aqui e aqui.

Gente, essa receita é da mãe da Magel, uma grande amiga da minha mãe, e é daquelas receitas infalíveis que ficam deliciosas e melhor ainda, você escolhe a quantidade de docinhos que quer fazer. Deixa eu explicar: cada gema usada rende um quindim.  Eu não quis exagerar então usei 4 gemas e o resultado final foram 4 lindos e bem amarelos docinhos!

Quindim

(para 10 quindins tamanho médio) (veja observação abaixo)

10 gemas em temperatura ambiente

10 colheres (sopa) de côco fresco ralado (se usar seco deixe hidratar uns 10/15 minutos em água antes de usar)

10 colheres (sopa) de açúcar

1 coher (sopa) de manteiga em temperatura ambiente

Misture bem os ingredientes numa tigela, de preferência de vidro ou inox, não precisa bater na batedeira.  Unte muito bem (não economize) com manteiga forminhas de alumínio, de quindim ou empadas e depois coloque bastante açúcar refinado até que cubra toda a manteiga.  Essa etapa deve ser feita com cuidado para que toda a superfície da forminha fique muito coberta com a manteiga e o açúcar, senão não desenforma bem após assado. 

As minhas forminhas são altas, e enchi até a metade, isso é bom pois a água do banho-maria não pode cair no doce, ok?

Leve para assar em banho-maria, fogo médio, até que a parte de cima esteja dourada.  Retire do forno, e coloque as forminhas num local para esfriarem.  Quando estiver totalmente frio, com o auxílio de uma faca de ponta, vá desgrudando os docinhos, cuidado para não “machucar” o doce.  Desenforme e coloque em forminhas ou pratinhos para servir.  Eu guardei na geladeira pois doces de ovos estragam logo.

* Observação: como queria poucos docinhos usei 4 gemas, 4 colheres de côco, 4 colheres de açúcar e 1/3 colher de manteiga, ok?

Ficou uma delícia, como usei ovos caipiras eles ficaram bem amarelinhos! Ah, não jogue as claras fora, coloque em vidros e congele ou guarde na geladeira para outras receitas. Logo posto aqui o que fiz com elas!

Pão caseirinho da Maura

6 maio

maio10 001

Já faz alguns posts que não falo de pães…então aqui vai uma receita maravilhosa que já fiz várias vezes e dá super certo!
Esses pãezinhos ficam lindos e muito saborosos, além de fofos. Já fiz metade da massa em formato pequeno e o resto numa forma de bolo inglês média.  Com gergelim em cima e sem. E o eggwash (um ovo batido com um pouquinho de água) por cima dá um acabamento lindo, não?

A receita é da Maura, que de trainee não tem nada, é uma super chef, as maravilhas do blog dela são lindas e gostosas! Maura, obrigada pela linda receita!!!

Ela fez na mão e eu na MPF. Segue abaixo a receita conforme está no blog dela e depois o jeito que fiz na MPF:

Pão caseirinho

2 colheres (chá) de fermento biológico seco ( eu usei 1 tablete do fresco)

1 ovo

3/4 xícara (chá) de leite

2 colheres (sopa) de açúcar

1 1/2 colheres (chá) de sal

1 colher (sopa) de manteiga

3 xícaras (chá) de farinha de trigo aproximadamente (eu usei um pouco menos)
Preparo

Escolha um recipiente grande para fazer a massa.

Misture 2/3 da farinha de trigo com o fermento biológico seco, o sal e o açúcar. Reserve. Quebre o ovo dentro de uma jarra medidora e complete com leite até atingir 240ml.

Misture com um garfo e junte com os ingredientes secos, junte a manteiga e misture, de início com uma colher ou garfo. Passe a massa para uma bancada polvilhada de farinha de trigo e comece a sovar fazendo movimentos de "ir e vir" rasgando a massa com a palma da mão. Adicionando o resto da farinha de trigo. Faça isso durante uns 5 a 10 minutos (eu aguentei 5) ou até que a massa mude de coloração ficando com a cor mais clara, e com aspecto rendado.

Com a ajuda de uma espátula para desgrudar a massa da bancada sove por mais 15 a 20 minutos. Ela deverá ficar bem maleável. Cubra e deixe crescer até dobrar de volume (cerca de 40 a 60 minutos).
Depois de crescida coloque numa bancada polvilhada com trigo e corte-a em 16 pedaços e modele os pãezinhos, no formato desejado. Coloque em uma assadeira e deixe crescer até dobrar de volume novamente. Pré-aqueça o forno em temperatura média, por uns 15 minutos. Asse-os por cerca de 20 minutos ou até dourarem.
Obs: Você pode substituir o fermento seco pelo fresco, use 1 tablete.
Ou você pode fazer sem ovo, para isso use 240ml só de leite.

Na MPF (como eu faço)

3/4 xícara (chá) de leite (já fiz também com buttermilk, e também iogurte) 

2 colheres (sopa) de açúcar

2 colheres (chá) de fermento biológico seco (ou 1 tablete do fresco)

1 ovo inteiro (melhor se estiver em temperatura ambiente)

1 colher (sopa) de manteiga

3 xícaras (chá) de farinha de trigo

1 1/2 colheres (chá) de sal

Coloque na cuba da MPF untada com azeite ou óleo os ingredientes na ordem acima e selecione o programa Massa.

Assim que o ciclo acabar retire da MPF e molde os pãezinhos colocando-os em assadeira untada ou com papel vegetal ou tapete de silicone (foi o que fiz). Da segunda vez que fiz moldei os pães pequenos pois mando também como sanduíche no lanche da escola e ficam num tamanho bom. Dá para rechear se quiser, com um pedacinho de chocolate meio amargo ou ao leite fica um sonho!

Pincele os pãezinhos com o eggwash e coloque gergelim ou papoula se quiser, senão só pincelados também ficam lindos e brilhantes.  Deixe crescer até que dobrem de volume. 

Pré-aqueça o forno em temperatura média, por uns 15 minutos. Asse-os por cerca de 20 minutos ou até dourarem.  Retire do forno e deixe esfriarem completamente sobre uma grade. Guarde em um container hermético.

Nhoque de ricota levíssimo! (Very light Ricotta Gnocchi)

3 maio

maio10 007

English recipe

Comecei enfim a fazer pasta em casa. Ainda não tenho o cilindro que facilita o processo, mas o rolo de macarrão dá para começar a brincadeira. Esta receita nem precisa do rolo, estava marcada há tempos para ser testada e me cativou pela descrição de um prato leve e fácil de fazer.

Nunca havia experimentado nhoque de ricota e resolvi que seria esta como a primeira a ser testada na lista das massas.  A receita é daqui

A massa é muito leve e fica perfeita com qualquer molho:, simples de tomate, ragu ou manteiga com sálvia (como eu comi).

O nhoque é uma massa que pode ser feita com batata, batata-doce, abóbora, espinafre, batata baroa (mandioquinha), mandioca e ricota.  Esses são os que conheço, mas tenho certeza de que dá para fazer de fruta-pão, de cará, de inhame e provavelmente algum outro tubérculo que a querida Neide (Come-se) nos apresenta sempre.

O nhoque é uma das preparações mais antigas na história da comida, e encontra-se referência ao prato em livros do século XIII.  Num fragmento de um livro datado de 1300 há uma receita de nhoque escrita em dialeto Toscano.  Quer saber mais? Leia aqui.

Nhoque de ricota

(4 pessoas que comam pouco)

(xícara medidora 200ml)

450g de ricota
1 ovo inteiro
1/2 xíc. de queijo Parmesão ou Pecorino ralado bem fino
1/2 colher (chá) de sal
3/4 – 1 xíc. de trigo

Deixe a ricota sorar sobre uma peneira se contiver muito líquido.

Numa tigela grande misture a ricota sorada, o ovo, o sal, o queijo e 3/4 xícara de trigo. Misture até que esteja bem incorporado. Cubra com plástico filme e refrigere por 15 minutos.

O ponto da massa se vê ao enrolar um pouco na mão. Deve estar um pouco grudenta.  Se grudar na mão como goma de mascar junte um pouco mais de trigo às colheradas, uma a uma até que esteja um pouco grudenta e dê para ser trabalhada. Refrigere por mais 15 minutos.

Antes de fazer o nhoque (as cobrinhas para cortar), coloque uma panela grande com água para ferver.  Numa assadeira polvilhe um pouco de trigo e deixe perto de sua área de trabalho.

Polvilhe as mãos e a mesa com um pouco de trigo e comece a pegar pedaços de massa para fazer cobrinhas não muito grossas.  Fiz da grossura do meu dedinho.

Corte os pedacinhos da massa (3cm) com uma faca sem serra ou uma espátula de padeiro.  Podem ser como travesseirinhos ou fazer a forma tradicional com as costas de um garfo e seu dedão. (Sinceramente não entendi como é isso…fiz os tais travesseirinhos…)

Assim que for cortando os nhoques vá colocando na assadeira polvilhada com trigo para que não grudem. 

Junte 1 colher (sopa) de sal na água fervente e despeje metade do nhoque.  Assim que eles subirem à superfície aguarde de 1 a 2 minutos e estarão cozidos. Retire com uma escumadeira e coloque em uma tigela com um pouco de manteiga no fundo. Repita a operação com a metade dos nhoques que sobrou.

Coloque o molho e queijo ralado e sirva imediatamente.

Ah, eu congelei o que sobrou na assadeira polvilhada com trigo, levei para o freezer. Depois que estavam “picolés” de nhoque coloquei num saco e fechei. Para usar em caldos, sopas é só colocar assim congeladinho direto no líquido fervente.