Arquivo | Acompanhamentos RSS feed for this section

Banana à milanesa para a Maria

3 dez

DSC05658

Mesmo um pouco atrasada não quis deixar de mandar essa sugestão simples e saborosa para a Maria, uma portuguesa guerreira voluntária no Timor Leste e leitora do Tertúlia de Sabores. A Moira pediu aos leitores e amigos que dessem sugestões de receitas para a Maria usando um número reduzido de ingredientes e utensílios que ela possui. Leia mais aqui.

Essa receita é simples e muito saborosa, não costumo fazer muito pois é fritura e prefiro utilizar o forno para empanados, mas o gostoso é frita mesmo.

O termo à milanesa significa que é empanado com farinha de rosca, no caso a banana é passada em ovos batidos e depois na farinha de rosca. Diz-se que o termo vem de uma receita servida num almoço em Milão (Itália) em 1134. Leia mais aqui.

Maria, espero que adoce seus dias! Parabéns ao Tertúlia de Sabores e a Moira pela linda iniciativa!

Banana à milanesa

(para duas pessoas)

4 bananas nanicas médias ou 2 grandes descascadas

1 ovo batido (usei caipira)

farinha de rosca para empanar *

óleo para fritar

* eu faço minha farinha de rosca, guardo o pão francês que não é consumido e depois passo no ralador do processador, fica uma farinha mais flocada, tipo Panko. Ou então passo na lâmina mesmo, aí fica bem fininha. Depende do que irei empanar. A banana com a farinha de rosca flocada ficou mais crocante!

Passe as bananas no ovo batido, depois na farinha de rosca e frite em óleo quente até dourar. Escorra numa toalha de papel e sirva quente.

Eu servi com arroz e frango ao curry, mas pode ser sobremesa se servir com uma bola de sorvete de creme ou chocolate!

Dilly Onion Amish Bread / Pão Amish de Cebola e Dill – Bread Baking Day #43: Onion Breads

29 ago

DSC05016

Please, scroll down for English

Mais um Bread Baking Day e desta vez consegui fazer o pão para participar! Esse é o número 43, dá para imaginar tantas possibilidades e tantas pessoas se entusiasmando para fazer pães e dividir com os outros? Pois é, é assim que funciona! Escolhe-se um tema e um  (a) blogueiro (a ) fica encarregado de difundir a escolha e depois que o dia passar e as receitas forem postadas mundo afora, catalogar e fazer um apanhado de tudo!  Adoro participar e ainda mais desta vez cujo tema é Pão de Cebola. A host da vez é a Judy, do Judy´s Gross Eats.

DSC05017

Assim que li qual seria o tema, lembrei-me de uma receita que queria muito fazer de um pão de cebola com dill, receita Amish do maravilhoso livro The Amish Cook´s Baking Book. Já havia feito a receita de outra vez mas tive que adaptar os ingredientes pois não havia conseguido achar tudo. Desta vez estava com tudo necessário e aí resolvi dar uma ligeira adaptada novamente…ai,ai,ai…coloquei um pouco de centeio para dar um ar mais integral ao pão! Ficou divino!

A primeira vez que fiz não tinha cebola desidratada então resolvi usar uma cebola média bem picadinha refogada no azeite e o dill também ainda não estava na minha horta…aí usei tomilho fresco. Ficou muito bom e saboroso. Olha só a foto da primeira tentativa:

DSC04632

Esses pãezinhos ficam deliciosos servidos morninhos acompanhando uma sopa ou uma boa salada!

Segue a receita adaptada:

Dilly Onion Rye Amish Bread

(12 pãezinhos ou um pão grande)

15g fermento fresco

1/4 xícara de água morna

2 colheres (sopa) de flocos de cebola desidratados

1 colher (sopa) de manteiga (temperatura ambiente)

1 colher (chá) sal

1 xícara  de queijo cotagge (usei ricota feita em casa)

1/4 colher (chá) de bicarbonato de sódio

1 colher (sopa) de semente de dill ou de dill fresco picadinho

1 ovo grande

2  xícaras de trigo

1/2 xícara de centeio

Método manual

Dissolva o fermento na água morna numa tigela grande.  Adicione o açúcar, flocos de cebola, manteiga, sal, ricota, dill, bicarbonato e o ovo.  Aos poucos vá juntando o trigo e o centeio misturados, misturando bem após cada adição.  Após colocar toda a farinha, com ela já incorporada, sove a massa para deixá-la macia e homogênea.  Cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer num local morno sem corrente de ar por uma hora.

Após crescer, divida a massa em doze bolinhas ou forme um pão.  Unte uma forma com manteiga para a massa crescer novamente, coberta com um pano de prato limpo e seco, por meia hora a 45 minutos.

Pré-aqueça o forno a 177ºC  e asse até que estejam dourados e saia um som oco quando bater com os nós dos dedos na parte de baixo dos pães. Se quiser pincele manteiga sobre os pães.  Coloque numa grade para esfriar. Podem ser congelados em sacos bem fechados.

MPF

Unte a cuba da MPF com manteiga e coloque a água morna, o fermento, açúcar, manteiga, ricota, bicarbonato, sal, dill, ovo, trigo e centeio, por último a cebola em flocos.

Programe para o ciclo massa e deixe terminar. Geralmente dura 1 1/2h. Retire a massa da MPF e forme 12 bolinhas ou um pão. Unte uma forma com manteiga para a massa crescer novamente, coberta com um pano de prato limpo e seco, por meia hora a 45 minutos.

Pré-aqueça o forno a 177ºC e asse até que estejam dourados e saia um som oco quando bater com os nós dos dedos na parte de baixo dos pães. Se quiser pincele manteiga sobre os pães. Coloque numa grade para esfriar. Podem ser congelados em sacos bem fechados.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Another Bread Baking Day arrived and this time I managed to bake the proposed bread theme!!!! This is BBD #43, can you imagine  so many possibilities and so many people getting all excited to bake breads and share? Well, that´s how it works! One blogger is chosen by Zorra to host the BBD and take care of the afterwards also. I love to take part of it and even more this time with Onion Bread theme! This time host is Judy, from Judy´s Gross Eats.

As soon as I read the chosen theme I remembered one recipe I had baked before, from the wonderful book The Amish Cook´s Baking Book.  Last time I baked it I had to adapt the ingredients because I hadn´t find them all.  This time I had it all set and in the counter, but then I decided to make another change…added some rye to the dough, to make it healthier! It came out wonderful!

DSC05015

The first time I baked this bread I had to use fresh onion instead of dried onion flakes, so I sautéed the onion in olive oil first. I also did not have dill, so I used fresh thyme! Great idea, the bread was so tasty! This is the first attempt:

DSC04630

They are great served with soup or a good salad!

Here´s the addapted recipe:

Dilly Onion Rye Amish Bread

(12 rolls or 1 loaf)

15g fresh yeast

1/4 cup warm water

2 tablespoons sugar

2 tablespoons dried onion flakes

1 tablespoon butter, softened

1 teaspoon salt

1 cup small curd cottage cheese (I used homemade)

1 tablespoon dry dill seed or dill weed

1/4 teaspoon baking soda

1 large egg

2 cups bread flour

1/2 cup rye

 

Manual method

Dissolve the yeast in the water in a large bowl. Add the sugar, onion flakes, butter, salt, cheese, dill, baking soda and egg.  Mix well. Slowly add the flours, mixing after each addition. After all the flours are added and stirred in, knead the dough to make it soft.  Cover with a damp cloth and let it rise in a warm place free of drafts for one hour.

After one hour, divide the dough in 12 or make one loaf.  Butter a baking sheet and set the rolls or the loaf for the second rise. Using a sharp knife or a blade, make a cross in the top of the rolls. Cover with a damp cloth and let it rise for 30 to 45 minutes.

Preheat the oven to 350F.  Bake until golden brown and the bottoms sound hollow if tapped.

You can brush meltd butter on the rolls. Let them cool on a wire rack.

Bread Machine

Butter the bowl of the Bread Machine and put the water, yeast, sugar, butter, cheese, salt, dill, egg, flours, baking soda and the dried onion.

Use the dough cicle, normally it takes 1 1/2 hour.

Take the dough out after the cicle has ended and shape 12 rolls or 1 loaf.

Using a sharp knife or a blade, make a cross in the top of the rolls. Cover with a damp cloth and let it rise for 30 to 45 minutes.

Preheat the oven to 350F. Bake until golden brown and the bottoms sound hollow if tapped.

You can brush meltd butter on the rolls. Let them cool on a wire rack.

Minha versão do Coleslaw

8 set

007

Faz tempo que não apareço por aqui, e o feriado prolongado sem acesso ao computador (e com acesso à praia…) ajudou. Já de volta às panelas e ao blog que me dão tanto prazer, trago hoje uma versão bem pessoal da salada de repolho típica americana, chamada “Coleslaw”.

Encontrada em todos os estados dos EUA, o Coleslaw é basicamente uma salada fria de repolho, suavemente agridoce e servida como acompanhamento de barbecues, hamburguers, hot dogs e frango frito. Há também um sanduíche dessa salada. As variações nos ingredientes são inúmeras e o segredo é deixar o molho curtir na salada antes de servir, então, deixe umas 2 horas na geladeira depois que prepará-la.

Normalmente faz-se a salada usando maionese para dar liga ao molho, mas um iogurte mais denso dá conta do recado e é menos calórico.

Esta receita fiz com um repolho lindo que ganhei de uma vizinha muito generosa, ela possui uma chácara e trouxe a feira: alface americana, almeirão, agrião, espinafre, repolho verde e roxo, couve…uma delícia!

Coleslaw

(para 2 pessoas como entrada ou para 1 faminto como refeição)

1/3 de um repolho roxo cortado bem fininho (usei o processador de alimentos com a lâmina lascas)

1 laranja Bahia em cubos (descascada, sem caroços e sem a parte branca)

1 maçã Fuji em cubinhos (descascada, sem sementes)

1/4 de xícara de noz pecan picada grosseiramente (reserve umas duas metades para enfeitar)

gergelim preto (ou sementes de linhaça, ou girassol, escolha sementes de sua preferência)

azeite de oliva

sal

1 1/2 colheres (sopa) de maionese light

um tiquinho de vinagre

Misture o azeite, sal, maionese e o vinagre e incorpore bem.

Numa tigela coloque os outros ingredientes e misture o molho. Leve para refrigerar por umas duas horas antes de servir, tampado com filme plástico.

Não coloquei açúcar pois a laranja deu o doce necessário à salada.

Refeição maravilhosa e refrescante!

Basil Bread from Corsica / Pão de manjericão da Córsega

31 ago

051

English recipe here

Ganhei esse lindo buquê de manjericão de uma amiga querida! Ela mora numa casa com um pequena horta e sempre que poda o pé dessa cheirosa planta lembra de dividir com os amantes do tempero. Já é a segunda ou a terceira vez que ela me presenteia! E desta vez o buquê era tão grande que tive que terceirizar e dar uma parte para outra amiga, pois não daria conta de usar tudo antes que ele murchasse.

Fiz pesto para uma noite de massa, ficou divino, pena que esqueci de fotografar! Fiz pizza com massa de manjericão, fiz salada com as folhinhas, nossa, até tempero da Nonna eu fiz para aproveitar essa maravilha. Mas queria fazer algo diferente, e por que não um pão?

Achei esta receita de um chef da Córsega, Philipp le Bail, e a foto estava tão linda que me rendi e fui fazer.  O pão ficou uma delícia, o sabor não é muito forte, o que não atrapalhou no café da manhã ao comê-lo com geléia. Até o meu pequeno que adora um pãozinho ficou apaixonado pela receita, levou de lanche para a escola e adorou! Os pães da foto do site ficaram mais verdinhos pois foram pincelados com o purê de manjericão antes de irem ao forno, os meus só continham o tempero na massa. É uma receita que vai muito bem num fondue de queijos ou numa noite de queijos e vinhos. Vai aparecer em casa novamente! Fiz meia receita para experimentar e rendeu bem, uns 20 pãezinhos.

A Córsega é uma ilha situada no mediterrâneo e pertence à França. Em toda a área do mediterrâneo o manjericão é presença constante na mesa, e fico pensando que outras delícias diferentes são feitas com esse tempero! Leia mais sobre a Córsega aqui.

053 

A receita está aqui em inglês, e segue a tradução (livre…):

Pão de manjericão (já é meia receita)

Dica do chef

O segredo para que o pão cresça antes de assar é colocar uma tigela com água para formar humidade.  Esse método tenta replicar as condições de um local próprio para fermentação da massa e protege a mesma contra correntes de vento e mudanças de temperatura.

Ingredientes

-1 kg farinha de trigo

– 30g fermento fresco

– 2 1/4 xícara de água morna (a 26ºC)

– 1  1/2 colher (sopa) de sal

– 125 g purê de manjericão

Para o purê bata no liquidificador:

– 150g folhas de manjericão

-100g azeite de oliva

 

  • Numa tigela grande misture o trigo, fermento e a água morna.  Mexa bem e junte o sal e o purê ao final.  A massa deve ser sovada numa superfície enfarinhada por 20 minutos para chegar ao ponto.
  • Deixe a massa crescer por 30 mintuos.  Abaixe com as mãos e forme bolinhas.  Salpique trigo.
  • Deixe crescer novamente em forma untada com manteiga por aproximadamente 1h, coberto com um pano de prato para que não resseque a casca, ou proceda como indicado na dica do chef.
  • Antes de assar faça cortes na superfície dos pãezinhos com um estilete ou lâmina.
  • Leve ao forno pré-aquecido a 220° C. Reduza a temperatura para 190° C e jogue um pouco de água na base do forno para criar vapor. Asse até que esteja dourado e até que esteja dourado e e ao bater no fundo dos pães saia um som oco.  Deixe esfriar numa grade.

Casquinhas de mexerica cristalizadas

13 jul

DSC02591

A chegada do inverno traz deliciosas frutas às feiras,  supermercados e para os mais sortudos que possuem quintal ou sítio, ao seu pomar.  Fico o ano todo contando os dias para que os morangos, as mexericas e ponkans cheguem com seu esplendor de beleza, doçura e sabor!

Sempre me empolgo e quando percebi a fruteira estava repleta de mexericas. Lógico que logo elas são devoradas, mas desta vez resolvi guardar as cascas para fazer as super especiais casquinhas cristalizadas. A receita é da querida Cris e dá muito certo! Já fiz com laranja pera, mas com as mexericas ficam para lá de deliciosas! Agora vou fazer com limões…

Levei num almoço na casa de uma amiga e ela serviu com café.  É impossível comer uma só, quando a gente se dá conta o vidrinho já está vazio.  Até meu pequeno quando viu essa montanha de tirinhas cristalizadas na mesa de jantar experimentou e toda hora que passava por ali pegava uma…irresistíveis!

Cris, obrigada por dividir a receita!

Se guardar num vidro bem fechado dura várias semanas….se conseguir resistir! E como a Cris mesma disse, dê de presente a uma pessoa querida, com certeza será muito apreciado!

DSC02587

Faço duas observações:

  1. se tiver espremedor de laranja use para retirar a polpa da mexerica, sai com a maior facilidade assim que espremer as metades da fruta;
  2. após a cristalização do açúcar a tirinha fica coberta com uma camada doce, e quando fiz sobrou açúcar, olhem só na foto acima. Guardei para usar numa próxima receita.

A receita tal como está na Cris:

Laranja cristalizada

A proporção é 1:2 (laranja:açúcar)
1 medida de cascas de laranja (ou limão vermelho)
2 medidas de açúcar
1) Lave bem as laranjas, seque e corte em 4 pedaços. Separe a casca da polpa. Não é necessário retirar a parte branca. Fatie a casca finamente.
2) Escalde as cascas em água fervente por 30 segundos. Enxague e deixe de molho em água fria por uma noite ou por 8 horas no mínimo.
3) Escorra a água, transfira as cascas para uma panela, acrescente o açúcar e leve ao fogo médio, mexendo até cristalizar. Espere esfriar e embale em saquinhos ou coloque em recipientes fechados.

Geléia de pimenta

2 jun

jun10 002

A Patty me pediu para postar a receita de geléia de pimenta depois de um comentário que fiz no blog dela… e como estava fora de casa, consequentemente sem as minhas listas e listas de receitas para testar, fui buscar outras possibilidades. Essa é para você, viu, amiga?

Achei várias mas esta em especial me chamou a atenção, vai suco de tangerina ou laranja e vem de Minas Gerais….para mim não precisa mais nada. E não é que a geléia é muito boa demais da conta? Gente, sério, eu adorei! Não fica muito forte e é perfeita para acompanhar carnes, grelhados e até queijos e pães.

A receita é da Dona Dinéia, de Rio Acima, e está aqui.  De qualquer forma transcrevo para facilitar a vida de vocês:

Geléia de Pimenta

900g de açúcar cristal (a receita original pede 1k, achei muito)
750 ml de água
200 ml de
glucose de milho
2 xícaras (de chá, cheias) de caldo de tangerina ou de laranja (usei tangerina daquelas da roça…!)
4 pimentas-dedo-de-moça inteiras (sem cabinho)

Bater, no liquidificador, as pimentas com o caldo de tangerina ou de laranja. Despejar em uma panela grande (sem coar), de preferência grossa, e pôr o restante dos ingredientes. Misturar bem. Levar ao fogo brando, mexendo de vez em quando, até virar uma calda grossa. Para saber se o doce está no ponto, pôr um pouco da calda em uma colher (sopa) e levar ao congelador por 30 segundos. Se ficar consistente, está pronta. Retirar a espuma que se forma sobre geléia, com uma escumadeira. Ainda quente, pôr a geléia em vidros esterilizados.

Dicas do Mangia

  • Para esterilizar os vidros: coloque-os submersos em água numa panela grande e funda e leve para ferver por pelo menos 15 minutos. Não esqueça das tampas.  Retire com cuidado usando uma pinça e coloque sobre uma tábua ou pano de prato para escorrer.
  • Essa geléia pode ferver e derramar, vai fazer a maior meleca no seu fogão (vai por mim, aconteceu comigo!). Ou você fica do lado da panela ou coloca um pires virado para baixo no fundo da panela como se faz com doce de leite.

Para terem uma idéia, eu coloquei até no frango grelhado que almocei ontem…delícia mesmo!

Rendeu 5 potes de 200ml. A consistência pode parecer meio líquida mas depois a geléia endurece um pouquinho.

PS: esse vidro está bem perua com esse paninho de oncinha, não é???

Dica do Mangia: como fazer quiabo sem baba

18 mar

mar10 026

Adoro quiabo, aprendi a comer ainda pequena, em casa sempre tinha legumes e verduras nas refeições e ele era presença constante.  Mas foi com a Augusta, uma ajudante da minha avó, que aprendi realmente a apreciar essa delícia:, refogadinho e sem nadinha de baba. 

Do alto de sua mineirice maravilhosa, a Augusta nos ensinou a preparar essa gostosura sequinha, e desde então em casa é assim que se faz, para puro deleite de todos… Detalhe, na última vez que minha irmã mais nova veio da França, onde mora, pediu para a primeira refeição na terrinha esse prato de quiabo da Augusta!

Assim que fazemos:

  • Lave os quiabos um a um e seque com um pano de prato.  Retire as pontas e cabos e corte bem fininho. Reserve.
  • Numa frigideira, de preferência antiaderente, coloque azeite e frite alho e cebola até dourarem.  Coloque então os quiabos em rodelas e deixe o fogo médio.
  • A dica de ouro é não mexer o quiabo com colher e sim usar uma frigideira com cabo e ir fazendo aquele movimento dos chefs: segure o cabo e mexa só a panela.  Se precisar coloque mais um pouco de azeite para não grudar. 
  • Vá mexendo a frigideira até que esteja dourado por igual e acrescente um pouco de sal e gotas de limão.  Pegue um garfo e experimente para ver se já está cozido.  Desligue e sirva. Fica divino!

Além de gostoso o quiabo é um fruto muito bom para saúde, veio da África com os escravos e ficou de vez!

É rico em vitaminas A e C e muito pouco calórico.  Possui fósforo, ferro e cálcio.

De fácil digestão é eficaz contra infecções dos intestinos, rins e bexigas.  Leia mais aqui e aqui.

Fonte: Sua pesquisa.com e Wikipédia