Arquivo | Light RSS feed for this section

“Mangamole”

25 fev

DSC08189

As mangas estão à toda, lindas, cheirosas e nos convidando a provar todo seu sabor.  O difícil é resistir a fazer sempre as mesmas receitas…então estamos deixando a imaginação nos levar a outro patamar…

A Moqueca de Manga foi um sucesso e já nos conquistou. Torta de manga, Lassi de manga…delícia. Outro dia minha mãe resolveu dar um twist no guacamole e fez com manga ao invés do abacate. Ela me contou e fui procurar na internet. Já havia alguns posts com a receita e ficamos impressionados com a capacidade das pessoas em inventar e modificar sabores de acordo com as necessidades e com o que têm em mãos. Ela não sabia que já existia e fez algo maravilhoso! 

Foi o aperitivo do almoço de ontem… “Mangamole” com tortilla chips! Aconselho a experimentarem, é viciante!!! Quase não almocei de tanto que gostei !

“Mangamole”

4 mangas “de vez” (nem maduras nem verdes” médias, sem cascas e caroços

1 cebola média

1 pimenta dedo de moça sem sementes

coentro (um punhado)

sal

um fio de azeite extravirgem

Coloque tudo no processador de alimentos e pulse algumas vezes. Não é para virar purê, então deixe um pouco pedaçuda. Corrija o sal e sirva.

Pode ser antepasto se servido com tortilla chips. Sobre um salmão grelhado vira complemento do prato principal! Também sobre peito de frango grelhado…delícia!!!

DSC08185

Anúncios

Nhoque de ricota levíssimo! (Very light Ricotta Gnocchi)

3 maio

maio10 007

English recipe

Comecei enfim a fazer pasta em casa. Ainda não tenho o cilindro que facilita o processo, mas o rolo de macarrão dá para começar a brincadeira. Esta receita nem precisa do rolo, estava marcada há tempos para ser testada e me cativou pela descrição de um prato leve e fácil de fazer.

Nunca havia experimentado nhoque de ricota e resolvi que seria esta como a primeira a ser testada na lista das massas.  A receita é daqui

A massa é muito leve e fica perfeita com qualquer molho:, simples de tomate, ragu ou manteiga com sálvia (como eu comi).

O nhoque é uma massa que pode ser feita com batata, batata-doce, abóbora, espinafre, batata baroa (mandioquinha), mandioca e ricota.  Esses são os que conheço, mas tenho certeza de que dá para fazer de fruta-pão, de cará, de inhame e provavelmente algum outro tubérculo que a querida Neide (Come-se) nos apresenta sempre.

O nhoque é uma das preparações mais antigas na história da comida, e encontra-se referência ao prato em livros do século XIII.  Num fragmento de um livro datado de 1300 há uma receita de nhoque escrita em dialeto Toscano.  Quer saber mais? Leia aqui.

Nhoque de ricota

(4 pessoas que comam pouco)

(xícara medidora 200ml)

450g de ricota
1 ovo inteiro
1/2 xíc. de queijo Parmesão ou Pecorino ralado bem fino
1/2 colher (chá) de sal
3/4 – 1 xíc. de trigo

Deixe a ricota sorar sobre uma peneira se contiver muito líquido.

Numa tigela grande misture a ricota sorada, o ovo, o sal, o queijo e 3/4 xícara de trigo. Misture até que esteja bem incorporado. Cubra com plástico filme e refrigere por 15 minutos.

O ponto da massa se vê ao enrolar um pouco na mão. Deve estar um pouco grudenta.  Se grudar na mão como goma de mascar junte um pouco mais de trigo às colheradas, uma a uma até que esteja um pouco grudenta e dê para ser trabalhada. Refrigere por mais 15 minutos.

Antes de fazer o nhoque (as cobrinhas para cortar), coloque uma panela grande com água para ferver.  Numa assadeira polvilhe um pouco de trigo e deixe perto de sua área de trabalho.

Polvilhe as mãos e a mesa com um pouco de trigo e comece a pegar pedaços de massa para fazer cobrinhas não muito grossas.  Fiz da grossura do meu dedinho.

Corte os pedacinhos da massa (3cm) com uma faca sem serra ou uma espátula de padeiro.  Podem ser como travesseirinhos ou fazer a forma tradicional com as costas de um garfo e seu dedão. (Sinceramente não entendi como é isso…fiz os tais travesseirinhos…)

Assim que for cortando os nhoques vá colocando na assadeira polvilhada com trigo para que não grudem. 

Junte 1 colher (sopa) de sal na água fervente e despeje metade do nhoque.  Assim que eles subirem à superfície aguarde de 1 a 2 minutos e estarão cozidos. Retire com uma escumadeira e coloque em uma tigela com um pouco de manteiga no fundo. Repita a operação com a metade dos nhoques que sobrou.

Coloque o molho e queijo ralado e sirva imediatamente.

Ah, eu congelei o que sobrou na assadeira polvilhada com trigo, levei para o freezer. Depois que estavam “picolés” de nhoque coloquei num saco e fechei. Para usar em caldos, sopas é só colocar assim congeladinho direto no líquido fervente.

Carpaccio de Haddock defumado com salada de batatas

5 nov

Carpaccio de Haddock defumado com salada de batatas blog

Com esse calor fica complicado pensar em refeições mais substanciosas para a noite, ainda mais se a filosofia do momento em casa é menos proteínas, menos calorias, menos…difícil….

Quando vi o carpaccio de Haddock defumado no supermercado lembrei-me da primeira vez que experimentei esse peixe.  Foi na casa de uma família italiana amiga e eles sempre tinham Haddock defumado para fazer sanduíches ou comer na salada…muito saboroso e perfumado o peixe me conquistou.  Infelizmente o preço não é nem um pouco convidativo…mas desta vez estava razoável e resolvi trazer para casa.

A refeição ficou leve, geladinha e super própria para uma noite quente! Pena que não estávamos à beira mar…com a lua cheia a enfeitar o céu estrelado…

Para duas pessoas: 3 batatas tipo asterix * grandes cortadas em cubinhos e cozidas al dente com água e sal.  Escorra a água e tempere as batatas ainda quentes com azeite, suco de meio limão, uma pitada de sal, uma colher de (chá) de vinagre balsâmico e uma colher de (sobremesa ) de sementes de mostarda.  Misture muito bem com cuidado e salpique páprica doce.  Cubra com filme plástico e leve à geladeira por umas 2 horas. A dica é temperar os cubinhos de batata ainda quentes, visto que desta forma o sabor fica mais impregnado no tubérculo.

Molho do carpaccio: três colheres de sopa de coalhada seca misturadas com 2 colheres (chá) de raiz forte em conserva ** e uma pitada de sal. Misture bem, coloque um pouco de azeite para emulsionar. Reserve.

Montagem do prato: fatias do carpaccio de Haddock defumado no fundo do prato, sobre uma parte do carpaccio coloca-se a salada de batatas e na outra parte do prato o molho de coalhada e raiz forte.  Enfeite com hortelã e sirva com fatias de pão.

* As batatas tipo Asterix são próprias para fritar e contém menos água do que a batata comum. Acho melhor para saladas pois não esfarelam.

** Usei raiz forte em conserva pois era o que tinha em casa, caso prefira use wasabi/raiz forte em pasta. Vá experimentando pois é mais forte e concentrada do que a em conserva.

Penne com abobrinha, tomate cereja e tomilho-limão

23 out

Penne com abobrinha, tomate cereja e tomilho limão blog

Nem só de pães e sorvetes vive esta casa…e nos últimos tempos temos tentado diminuir o consumo de alguns alimentos que aumentam o nível do mau colesterol, além de proteínas de dífícil digestão.

Para aqueles que gostam da boa mesa é uma tarefa mais elaborada pensar em receitas que nutram o corpo e satisfaçam o paladar e os olhos e não usem muita gordura, muita proteína animal….  Somos bem carnívoros e uma refeição sem carne (ou afins) nos dava a impressão que alguma coisa havia sido esquecida na cozinha…

Mas ainda bem que somos adaptáveis e inteligentes, então pensei numa massa, muito apreciada pelos meus dois amores, e que ficasse especial.  O toque ficou por conta do tomilho-limão, uma erva muito perfumada e saborosa que comprei numa barraca orgânica na feira. Os legumes de ótima qualidade aliados à massa de grano duro e banhados com um azeite de oliva muito bom e sal do Himalaia compuseram esta pasta vegetariana nota 10.

Eu só conhecia tomilho seco e já havia lido alguns artigos e receitas que usavam a erva fresca, por isso não hesitei em comprar para experimentar. Está na janela da área de serviço há quase um mês e vai muito bem, obrigada!  Aos poucos vou experimentando quais ervas aromáticas vivem bem no nosso pouco iluminado lado do prédio…

O tomilho-limão tem um perfume muito bom e nos molhos, ensopados, bolos, pães e biscoitos dá um toque diferente.

O tomilho é nativo das encostas ensolaradas do Mediterrâneo, e as colinas da Grécia são cobertas pela erva. As abelhas adoram esta planta, que também produz um excelente mel. Seu uso data de cerca de 3000 AC, quando os Sumários usavam-no como anti-séptico. Já os Egípcios usavam o tomilho no processo de mumificação. Na Grécia antiga ele era espalhado pelo chão nos grandes banquetes para agir como um afrodisíaco, e também destilado no perfume feminino.
O nome tomilho vem da palavra grega thymus, que significa coragem. Os Gregos acreditavam que a erva proporcionava força e sabedoria. Nos tempos medievais, as mulheres costumavam costurar o tomilho nas capas dos cavaleiros como um sinal de bravura. Já os Romanos da antigüidade tinham por hábito banhar-se com o tomilho antes de irem às batalhas, enquanto que os antigos Escoceses tomavam uma bebida feita com a erva pelos mesmos motivos de bravura.
Na medicina o tomilho sempre foi utilizado por suas propriedades anti-sépticas, e na segunda guerra mundial os soldados tomavam seu óleo denominado thymol antes de irem às batalhas. Seus óleos voláteis ajudam principalmente na digestão de gorduras. Estes mesmos óleos pungentes fazem com que o tomilho seja útil no tratamento da asma, e também usados na aromaterapia e outras técnicas de cura para purificar ambientes contra energia negativa. (Fonte: Nutrição em Pauta)

Vamos ao modo de fazer?

Penne com abobrinha, tomate cereja e tomilho-limão

350g de penne = 2 pessoas famintas e ainda sobra um cadinho

Numa frigideira grande coloque um pouco de azeite e coloque duas abobrinhas italianas com casca cortadas em rodelas não muito finas (cerca de 3 a 4 milímetros). Deixe amolecer, não é para dourar nem fritar.  Retire e reserve. Na mesma frigideira coloque um dente de alho grande em fatias bem finas e deixe uns segundos, agregue 20 tomates cereja lavados inteiros.  Deixe começar a murchar os tomates e volte com as abobrinhas para pegar gosto.  Reserve.

Cozinhe numa panela com muita água e sal o penne até ficar al dente e depois escorra.  Misture 1 colher de sopa bem cheia de manteiga e mexa para envolver toda a massa.  Misture os legumes salteados, coloque azeite e sal do Himalaia (ou sal comum) e as folhinhas de tomilho-limão fresco (a gosto, usei as folhinhas de dois cabinhos) lavadas. Sirva imediatamente.

Dica: visite os links para maiores informações.