Archive | outubro, 2010

Quibe de beringela, recheado, assado e delicioso!

25 out

167

Confesso que não sou muito fã de quibe, na verdade não gosto muito da combinação triguilho e carne, prefiro almôndegas acompanhadas de um tabule….mas esta receita me pegou de jeito assim que a vi no blog da Rachel. Muito boa opção para os vegetarianos, viu Mary?

Como tenho tentado variar mais os pratos e diminuir o consumo de carne vermelha, decidi experimentar. A receita é fácil, rende muito bem e o melhor de tudo, fiz, congelei e no dia em que precisei levei direto do freezer ao forno. Ficou delicioso e o marido não acreditou quando eu disse que não tinha carne. O prato é realmente bem leve, servi com salada verde e um molho de iogurte, azeite, sal e hortelâ picada. Aprovadíssimo! Obrigada, Rachel!

A única coisa é que da próxima vez farei duas travessas, já que em casa somos em dois adultos e uma criança e a receita serve tranquilamente 4 adultos.

Segue a receita adaptada.

Quibe assado de beringela

Ingredientes:
– 300 g de trigo para quibe (triguilho)
– 3 berinjelas médias
– 700 ml de água filtrada
– 1 cebola
– 2 dentes de alho
– 1/2 maço de hortelã
– 1 pitada de pimenta síria (não usei pois não tinha)
– sal a gosto
– 1 colher, das de sopa, bem cheia de manteiga
– 200 g de muçarela ralada na parte grossa do ralador (ou mais dependendo do seu amor por queijo)
– 1 tomate maduro em cubinhos
– 80 g de azeitonas verdes sem caroços
– Azeite extra virgem
Modo de Preparo:
Lave muito bem o trigo, coloque de molho em 500 ml de água morna e deixe descansar por 1 hora (o trigo irá hidratar e ficar mole).
Após esse tempo, escorra o trigo em uma peneira e aperte bem com as mãos para tirar o excesso de água.
Eu deixei as beringelas sorarem um pouco antes de cozinhar, descasquei, passei sal grosso em cada metade e deixei escorrer numa peneira por uns 15/20 minutos. Lavei para retirar o sal, piquei as berinjelas em pedaços médios. Leve ao fogo com 200 ml de água e 1 pitada de sal. Cozinhe até ficar macia, escorra e aperte bem para tirar o excesso de água.
Bata a berinjela, a cebola, o alho e o hortelã no liquidificador até virar uma pasta.
Junte essa pasta de berinjela ao trigo e tempere com sal, pimenta síria e manteiga. Misture bem.
Unte um refratário (usei uma cerâmica para forno) com manteiga e coloque a metade do quibe. Recheie com a muçarela, os tomates e a azeitona e regue com bastante azeite.
Cubra com a porção restante do quibe, faça marcas com a faca, regue com azeite e leve ao forno pré-aquecido (200 graus) por meia hora ou até dourar.

*Como eu disse acima, antes de levar ao forno, congelei a travessa de cerâmica refratária coberta com plástico filme e no dia em que precisei retirei do freezer e assei até dourar e ao testar com uma faca verificar que está descongelado. Ficou uma delícia!

Geléia de mexerica para nós, de bergamota para eles

21 out

geléia de mexerica blog

Assim que vi essa receita no blog da Rosley e do Jotta, percebi que era uma daquelas geléias que não podem faltar na minha mesa e despensa. Salvei a receita e fui comprar as bergamotas, ou melhor, mexericas. Bergamota é como se chama a tangerina ou mexerica em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul (quer saber mais, leia aqui).

Aqui em Sampa encotrei umas mexericas daquelas com casca bem fininha, perfumadas e de uma cor laranja bem forte, chamadas mexerica-rio.  Confesso que quando morei no Rio de Janeiro não as conhecia por esse nome, mas o que importa é a linda fruta.

A geléia é uma maravilha de boa! Não dá para parar de comer, fiquei totalmente fã e melhor ainda, o custo é muito baixo comparado ao produto final! A Rosley e o Jotta escreveram que a preparação era um pouco trabalhosa, mas não achei, somente demorada, já que a geléia demora um pouco para dar ponto. E rende bem! Com 14 frutas médias consegui 3 potes de 200ml e um de 100ml. Já estou quase sem…! Vou ter que comprar mais mexericas! O perfume da geléia e o sabor colocam qualquer dessas industrializadas no chinelo e se usar a fruta e o açúcar orgânicos a qualidade vai ao espaço!
Obrigada por compartilhar esse tesouro conosco, Rosley e Jotta! Já entrou definitivamente para meu caderno de receitas testadas e aprovadas!

Essa geléia fica bem parecida com a que usei para rechear as Orange Marmalade Rolls, mas achei ainda mais fácil de fazer.

Adaptei um pouco a receita para nosso paladar pois não gostamos de muito doce, mas a original está aqui.

Geléia de mexerica (bergamota)

Ingredientes:

14 mexericas bem lavadas (daquelas de casca fininha e bem cheirosa); 550g de açúcar; e água para cobrir a polpa e as cascas já fervidas.

Modo de fazer:

Descasque as merxericas e reserve as cascas. Com uma tesoura, corte-as em tirinhas (adorei essa idéia!!!). Coloque em uma panela com água e deixe ferver, escorra, coloque novamente na água fria e deixe ferver. Faça isso 3 vezes. Enquanto isso, separe os gomos, retire as sementes usando uma tesoura e retire também todas as partes brancas internas.

Coloque os gomos já limpos numa panela e cubra com água . Acrescente o açúcar e as cascas já escorridas e fervidas.

Deixe ferver por aproximadamente 2 horas. De vez em quando dê uma olhada e uma mexida. No final vá testando a consistência em um pires até achar o ponto ideal.

Esterilize vidros e tampas fervendo-os em água por pelo menos 15 minutos e envase. Não deixe ficar ar no vidro senão pode mofar a geléia. Pode guardar fora da geladeira até abrir.

Pão de queijo / Cheese bread World Bread Day 2010

13 out

pão de queijo travessa 4

(Scroll down for English, please)

Apesar de não ser mineira de nascimento sou mineira de coração. Fiz faculdade em Juiz de Fora e me apaixonei mais ainda depois de morar naquelas terras. Tenho grandes amigos mineiros, sempre com um sorriso largo e fraterno para dar, que sabem receber bem, dividir histórias e conhecimentos, além de dividirem comidas e quitandas de comer de joelhos. Uma delas é o delicioso Pão de Queijo. 

Esse pãozinho conquistou o mundo, e os apaixonados por ele vão desde crianças até os vovôs e vovós! Sua origem remonta ao século XVIII nas Minas Gerais e no meio do século passado conquistou o resto do país. Quem resiste ao cheirinho e sabor de um pão de queijo quentinho?

Basicamente a receita usa polvilho (doce ou azedo), banha, ovos, queijo, leite e sal. A receita que escolhi e que achei a mais perfeita que já fiz até hoje veio do blog da Renata, o Eternos Prazeres, uma mineira de mão cheia e coração quente! Rê, obrigada, fiz na casa da minha avó e quase não sobra! Todos adoramos!

Em Minas Gerais a tradição do pão de queijo é tão presente que em algumas regiões serve-se no café da manhã, almoço e jantar!

E com essa maravilha de receita participo do World Bread Day 2010 proposto pela Zorra. Dêem uma olhada no site para maiores detalhes! O último dia para participar é 16 de Outubro.

Vá coar um café para acompanhar!

Pão de Queijo

(rendeu perto de 80 pãezinhos)

Ingredientes:

1 quilo de polvilho azedo (usei doce) – tive que usar mais umas 3 ou 4 colheres para dar ponto
500 gramas de queijo Minas Padronizado ou Curado (usei um queijo curado maravilhoso que achei no Mercado Municipal em Sampa)
500 ml de leite; para escaldar
5 ovos inteiros
2 colheres (de sopa) de manteiga
1 colher (de sobremesa) de sal.

Modo de fazer:

Peneire o polvilho numa gamela. Meça o leite, a manteiga e o sal, aqueça-os até que a manteiga esteja totalmente derretida e o leite quase em ponto de fervura.
Adicione o leite (com a manteiga e o sal) sobre o polvilho, mexendo lentamente (este procedimento é denominado de escaldo do polvilho), irá permitir que o pão cresça melhor e se torne mais digerível.
Depois de escaldado, deixe que esta mistura esfrie um pouco e adicione os ovos. Esfarinhe a massa com as pontas dos dedos e solve muito bem. A massa deverá ficar maleável e uniforme, adicione o queijo (previamente ralado) e regule o ponto com um pouco de leite ou polvilho quando necessário. É melhor deixar a massa mais molinha, os pãezinhos vão ficar mais macios.
Molde sob formato de bolinhas no tamanho que preferir e leve ao forno previamente aquecido, ou se preferir congele as bolinhas para assar a medida que quiser.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

pão de queijo forma

Even though I wasn´t born in the state of Minas Gerais (Brazil), I carry a huge love for that place.  After going to university in Juiz de Fora (one city in Minas) I fell in love even more with that land.  I have great friends over there, always with a large and brotherly smile, they are great hosts, know very well to share stories and knowledge, not to mention their special food. One of them is the Cheese Bread.

These little ball bread conquered the world, from little ones to grandmas and grandpas! Its origin comes from the XVIII century in Minas Gerais but it was around the 1950/1960 that the rest of the country really got to know it well.  Who resist the smell and taste of a warm cheese bread?

Basically the recipe uses Tapioca starch, lard, eggs, cheese, milk and salt. The recipe is chose and found to be the most perfect one I ever baked comes from Renata, from Eternos Prazeres, one great person with a warm heart! Rê, thanks, I baked at my grandma and almost had no leftover! We all loved!

In Minas Gerais the tradition of Cheese bread is so strong that in some regions they are served at breakfast, lunch and dinner!

I submit this great recipe to World Bread Day 2010 hosted by Zorra! Take a look at her site for more details. The deadline is October 16th.

Go make some coffee to go along!

Cheese Bread

Ingredients:

1 k Tapioca starch (to get to the right consistency I used 4 table spoons more)
500 gr of  cured cheese or a strong cheese grated
500 ml milk, to scald
5 whole eggs
2 table spoons unsalted butter
2/3 table spoon salt

Sift the tapioca starch in a big bowl, set aside.

Put the milk, butter and salt in a pan and warm it almost until the milk boils.   Scald the liquids over the starch and  mix slowly, it makes the bread to puff better.

Let this cool for a while and add the eggs.  With your fingers mix and knead well.  The dough should be uniform and soft.  Add the grated cheese and with a little bit of milk or starch get the soft consistency.

The dough should be soft.

Make small balls, around 3cm diameter.  Put in buttered cookie pans and bake in a medium oven until brown on the bottom.

If you prefer you can freeze the little balls: take them to the freezer in the pans, let them freeze, then put them in sealed plastic bags and store until you need. Take them frozen to buttered pans to the oven to bake when necessary.

Yelds around 80 balls.

Tempo de jabuticaba é tempo de fazer geléia

7 out

074

As jabuticabas estão em plena safra e vale a pena procurar aquele pé carregadinho para colher as frutinhas! No supermercado também se acha, mas infelizmente o preço está um absurdo…

Cheguei a ver a R$12,oo o kilo! Talvez na sua feira preferida elas apareçam!

Fomos passar alguns dias na casa da mãe do meu marido no interior do Rio de Janeiro e no condomínio onde ela mora achamos um pé transbordando de tantas frutas! Fiquei feliz pois a colheita proporcionou dois vidros de geléia!

A fruta in natura é uma delícia, e não consigo deixar de lembrar dos netinhos da Dona Benta do Sítio do Pica-Pau Amarelo trepados no pé chupando a jabuticaba!

Você sabe que:  jabuticaba tem capacidade para conter diarréias e disenterias, por isso é indicada para tratar de desarranjos intestinais.

Nativa da mata atlântica, a fruta ainda contém ferro, potássio, cálcio, sódio, fósforo, magnésio, vitaminas C e do complexo B. Leia mais aqui.

A geléia é simples e fácil de fazer, só requer um pouco de paciência. A receita que segue é adaptada do Olivier Anquier.  Como nem sempre a quantidade que temos é a indicada para a receita adaptei ao caso concreto e já fiz 3 vezes.  Fica maravilhosa no pão, torrada, crackers e até sobre aquele manjar ou sorvete!

069

Geléia de Jabuticaba

  • lave a jabuticaba, deve ser uma quantidade razoável, pelo menos mais de 600g, senão não vale a pena o tempo de espera pois ela rende pouco.
  • retire os cabinhos e coloque a jabuticaba limpa numa panela grande de inox, e cubra as frutas com água. Não coloque água demais, somente o necessário para cobrí-las.
  • deixe cozinhar em fogo médio/fraco por aproximadamente 1 1/2h, destampada.
  • quando perceber que a fruta está começando a amolecer, use uma colher de pau e comprima as frutas contra a parede da panela para abrí-las.
  • esse cozimento lento irá resultar num suco roxo e repleto de pectina, o que irá ajudar no processo de endurecimento da geléia.
  • coe o caldo e descarte as cascas e polpa.
  • meça o suco e acrescente a metade do volume do suco em açúcar.
  • misture bem e leve novamente ao fogo médio, mexendo de vez em quando com colher de pau.
  • o ponto é quando a geléia está grossa mas não demais senão depois fica difícil para espalhar no pão.
  • envase em vidros fervidos por 15/20 minutos (ferva as tampas também, mas os vidros devem ser destampados).
  • guarde fora da geladeira até abrir.

A escritora Rosaly Senra, do blog Quitandas de Minas, faz quase da mesma forma e ensina um truque:

“É importante cuidar para não deixar passar o ponto de tirar do fogo. Minha mãe sempre reclama que as geleias de jabuticaba que faz ficam muito duras. O ponto certo para que a geleia fique fina é quando, tirando com a colher, aquele suco não escorra tão facilmente. Dá um pingo grosso, quase que não pinga. É esse o momento de desligar, colocar nos potes e deixar esfriar.”